Os funcionários do Banco do Brasil elegeram, no dia 5 de julho, seu representante no Conselho de Administração (Caref) mas até agora o BB não deu posse ao eleito. Por isso representantes dos trabalhadores vêm cobrando que o banco informasse a data da posse do Caref, Rafael Vieira de Matos, eleito em segundo turno com 21.081 votos.

A primeira cobrança foi feita por carta enviada pela Contraf-CUT à direção do BB no dia 6 de agosto. Nas rodadas específicas da Campanha 2013 entre o Comando Nacional e o BB, abertas no dia 14, a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil exigiu novamente que o banco dê posse efetiva ao Caref, pois o processo já foi finalizado no dia 5 de julho com a confirmação do resultado por parte da Comissão Eleitoral.

Além disso, no mesmo dia 14, os representantes da entidades do Comando Nacional entregaram carta a José Lopez Feijóo, assessor da Secretaria da Presidência da República, endereçada à presidenta Dilma Roussef, denunciando o autoritarismo nas relações do banco com o funcionalismo e as precárias condições de trabalho na empresa.

O Regulamento das Eleições estabelecia que a Comissão Eleitoral encaminharia ao presidente do Banco do Brasil o nome do candidato eleito ao cargo para as providências legais e estatutárias.

O Estatuto do BB e a Lei das SA (lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976) definem que a posse dos conselheiros de Administração deve ser feita em Assembleia Geral de Acionistas (AGE) ou na própria reunião do Conselho de Administração, que, por sua vez, encaminha a decisão para posterior ratificação da AGE.

Acionista majoritário, o governo federal detém cerca de 60% das ações do banco. No Conselho de Administração do BB, indica quatro dos oito membros, sendo três representantes indicados pelo ministro da Fazenda e um indicado pelo ministro do Planejamento. O presidente do Conselho de Administração tem sido, geralmente, o secretário-geral do Ministério da Fazenda, cabendo a ele a indicação da pauta a ser discutida nas reuniões ordinárias do Conselho.

Funcionários de todo o país indagam quando terão início as atividades de seu representante no Conselho de Administração, para que tenham suas expectativas levadas à esfera de definição das principais linhas estratégicas do banco.

O funcionário do BB e diretor do Sindicato, Wagner Nascimento, ressalta que a eleição do representante é uma conquista dos trabalhadores. “No Banco do Brasil houve uma disputa democrática de propostas e de ideias com uma grande participação dos funcionários. Esta conquista precisa ser efetivada com a posse do Conselheiro Representante dos Funcionários e, por isso, cobramos do banco a agilidade no processo”, afirmou.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: