Funcionárias e funcionários do Banco do Brasil de Minas Gerais realizam, no dia 5 de maio, sábado, seu Encontro Estadual. O evento ocorrerá entre 9 e 18h, na sede do Sindicato, e tem o objetivo de definir propostas e eleger delegados que participarão do 29º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil.

As discussões serão realizadas abordando temas como remuneração, condições de trabalho, Cassi, organização do movimento, Banco do Brasil e o Sistema Financeiro Nacional e Previ.

Todos os funcionários e funcionárias do Banco do Brasil de Minas Gerais estão convidados. As inscrições podem ser realizadas até as 17h do dia 30 de abril, na sede do Sindicato dos Bancários de BH e Região, na rua Tamoios, 611, no Centro de Belo Horizonte. Os interessados podem entrar em contato pelo telefone (31) 3279-7823 ou pelo e-mail secgeral@bancariosbh.org.br.

“Estamos vivendo um momento histórico de ataques a todos os nossos direitos e às empresas públicas e seus funcionários. Direitos que foram conquistados ao longo de muitos anos e de muitas lutas, sendo dizimados numa rapidez incrível. Somente com muita mobilização e muito envolvimento de toda a categoria poderemos reverter esse cenário. Esse ano, mais do que nunca, precisamos de muita união e da participação de todas as bancárias e de todos os bancários nessa luta”, afirmou Luciana Bagno, que é funcionária do BB e diretora do Sindicato.

Fortalecer a luta contra os ataques aos direitos dos trabalhadores

Depois de duas reestruturações recentes e o sucateamento do atendimento em agências, os funcionários do BB se veem agora diante de uma resolução da CGPAR que pode acabar com a assistência à saúde, além da abertura de agências totalmente terceirizadas. A conjuntura atual sinaliza mais ataques às empresas estatais e aos direitos dos trabalhadores.

Em 2018, a categoria bancária terá sua primeira Campanha Nacional depois da reforma trabalhista do governo Temer. Sendo assim, vários pontos do acordo coletivo dos funcionários estão sob ameaça. Haja vista os recentes desrespeitos do BB ao acordo assinado com os bancários. Um deles é o descomissionamento de funcionários sem respeitar a cláusula das três avaliações, conquista da Campanha Nacional, por retaliação a quem tem ações judiciais.

Dentre os diversos ataques aos trabalhadores, a reforma trabalhista também acabou com a ultratividade dos acordos coletivos de trabalho, que garantia a validade dos direitos até a assinatura dos acordos seguintes. Isso significa que todas as conquistas dos bancários estarão em risco se não forem reafirmadas e assinadas em um novo acordo até a data-base da categoria. Por isso, a categoria está antecipando a Campanha para que possa entregar a pauta de reivindicações aos bancos ainda em junho.

Além da Campanha Nacional, em 2018 serão também realizadas eleições gerais para o Executivo e Legislativo em todo o país e será preciso um olhar atento para eleger candidatos comprometidos com a luta das trabalhadoras e dos trabalhadores. Eleger um presidente da República e um Congresso parecidos com os atuais significaria enterrar de vez a CLT e abrir mão de qualquer possibilidade de reverter a legislação imposta pelo empresariado, que acaba com a dignidade dos empregos dos brasileiros.

Só com organização, unidade e luta será possível garantir direitos em uma das campanhas nacionais mais duras que a categoria bancária enfrentará.

 

Compartilhe: