Os funcionários do Banco do Brasil da base do Sindicato de BH e Região aprovaram, em assembleia realizada no dia 25 de abril, quinta-feira, greve de 24 horas nesta terça-feira, 30 de abril. A greve é nacional e é organizada pelos sindicatos filiados à Contraf-CUT para protestar contra a implantação unilateral do novo plano de funções do BB, que reduz salários, adicionais de função e traz prejuízos na remuneração dos funcionários. A mobilização se espalha por todo o país, sendo que diversos sindicatos, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Paraíba, já estão se preparando para a greve.

O Sindicato orienta os funcionários para promoverem uma grande concentração em frente ao prédio do banco na rua Rio de Janeiro, 750, no centro de Belo Horizonte, a partir das 10h do dia 30 de abril. Todos os trabalhadores estão convocados para deixar clara a indignação da categoria diante do novo plano.

Para o funcionário do Banco do Brasil e diretor do Sindicato, Wagner Nascimento, a greve nacional é um grito contra um plano que retira importantes conquistas dos últimos anos e tem o único objetivo de reduzir os custos da folha de pagamento. “A Diretoria de Pessoas do BB insiste em atropelar os funcionários com ameaças de perseguição, descomissionamento e ainda quer retirar salários. Os funcionários que conferiram seus contracheques já viram os prejuízos. O banco não pode negar os problemas do novo plano e, por isso, faremos greve para exigir respeito para com os bancários”, explicou.

O presidente do Sindicato, Cardoso, destacou que a aprovação da greve pelos funcionários foi um ato de coragem contra uma gestão truculenta, covarde e mentirosa no banco. “Os bancários deram resposta a uma direção que não negocia seriamente com os trabalhadores e tenta impor medo com ameaças de retaliações. Não podemos continuar com esta diretoria, que não atende aos interesses dos trabalhadores e do povo brasileiro. Aqueles que ocupam os cargos de direção atualmente não podem estar à frente de um banco público com a importância que tem o BB”, afirmou.

Compartilhe: