Bancárias e bancários do Banco do Brasil realizam, entre as 8h do dia 1º de julho e as 22h do dia 2 de julho, Assembleia virtual para deliberar sobre o Acordo Coletivo de Trabalho Emergencial (Pandemia Covid-19).

A votação será realizada em uma plataforma segura, que garante o sigilo do voto dos trabalhadores. O link para acesso estará disponível no site do Sindicato nos dias de Assembleia.

Entre os destaques da proposta conquistada, estão o abono dos dias 7 a 9 de abril, desconto de 10% do total de horas negativas, com 18 meses para pagar, e o compromisso de não descomissionamento por desempenho até o final da pandemia. O Sindicato orienta a aprovação.

A conquista do não descomissionamento, por exemplo, é fundamental para garantir comissão e salário dos funcionários até, pelo menos, o fim do decreto de calamidade pública, que vai até 31 de dezembro de 2020. Caso o decreto seja prorrogado, a garantia aos trabalhadores será mantida pelo mesmo período.

Além disso, os trabalhadores conquistaram que seja mantido o critério de grupos de risco. Desta forma, continua valendo o que está divulgado pelo BB no hotsite Coronavírus e o que for aprovado nas deliberações da Mesa de Negociação Nacional Permanente sobre a Covid-19.

Veja a explicação da funcionária do BB e diretora do Sindicato, Luciana Bagno, que participa das negociações com o banco:

Conquista dos trabalhadores

O acordo deve ser considerado uma conquista dos bancários do Banco do Brasil. O processo de negociação foi árduo e encontrou percalços. Um deles foi a Portaria Conjunta nº 20, de 18 de junho de 2020, que alterou o grupo de risco para a contaminação pela Covid-19, excluindo as pessoas com mais de 60 anos. Desta forma, o banco poderia promover o retorno ao trabalho dos funcionários deste grupo que estejam em home office, mesmo com os números crescentes de mortes pela doença no país.

“Devemos nos considerar vitoriosos nesta batalha. Neste tempo de pandemia, a prioridade deve ser o cuidado com a saúde e a vida e não a venda de produtos para a garantia do lucro”, afirmou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, que é uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

O acordo prevê o desconto de 10% do total de horas que o trabalhador terá que compensar, com prazo de até 18 meses para compensação; manutenção de um período mínimo de 15 dias férias, impossibilitando que o banco zerasse as férias dos trabalhadores; banco de horas positivos garantidos e pagos de acordo com o Acordo Coletivo de Trabalho; manutenção da redução de jornada para os funcionários que estão trabalhando, sem redução de salários; não descomissionamento por desempenho durante todo o período de pandemia.

 

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA ESPECIFICA PARA O BANCO DO BRASIL S/A.

O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO – SEEB/BH, entidade sindical de primeiro grau, inscrito no CNPJ/MF sob o nº 17.218.165/0001-37, Registro Sindical nº 003 – Pag. 014, neste ato representado por sua Presidenta, Srª. Eliana Brasil Campos, democraticamente eleita no último pleito, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da Entidade, convoca todos os empregados bancários, associados ou não, que prestam serviços ao Banco do Brasil S/A, lotados na base territorial deste sindicato, para participarem da Assembleia Geral Extraordinária que se realizará de forma remota/virtual durante o período das 08h00 do dia 01 de julho, até às 22h00 do dia 02 de julho de 2020, na forma disposta no endereço www.bancariosbh.org.br, onde encontram-se disponíveis todas as informações necessárias para a deliberação acerca da aprovação ou não do Acordo Coletivo de Trabalho Emergencial (Pandemia COVID-19), com vigência de dois anos a contar da data de sua assinatura, a ser celebrado com o Banco do Brasil S/A. Belo Horizonte, 30 de junho de 2020. Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Belo Horizonte e Região – Eliana Brasil Campos – Presidenta

 

Compartilhe: