Os dirigentes sindicais que participaram do Encontro Nacional dos Funcionários do Santander, nos dias 4 e 5 de julho, em São Paulo, definiram como prioridades de luta três temas: emprego, saúde e condições de trabalho e remuneração. No evento, foi aprovada a pauta de reivindicações específicas para a Campanha Salarial 2013, que será entregue à direção do Santander.

O Sindicato esteve presente no Encontro, representado pelos diretores Davidson Siqueira, Fernando Lemos, Odinei Silva e Wagner dos Santos. A delegação de Minas Gerais levou para o debate as propostas elaboradas durante o Encontro Estadual, realizado no dia 22 de maio na sede do Sindicato.

A pauta de reivindicações específicas aprovada nesta quarta-feira, 5, traz diversos pontos e, além das prioridades definidas, temas como previdência complementar e saúde suplementar.

Para o funcionário do Santander e diretor do Sindicato, Davidson Siqueira, o Encontro Nacional foi um importante momento para debater propostas e elaborar a pauta específica, que trata de questões importantes para os funcionários do Santander.”Esperamos avançar nas reivindicações nas Conferências Estadual e Nacional dos Bancários para garantirmos mais uma Campanha Salarial vitoriosa”, afirmou.

Emprego

Os funcionários se manifestaram contra as demissões, a política de rotatividade, o fechamento de postos de trabalho, a terceirização, os correspondentes bancários e a discriminação nas contratações. A prioridade dentro do tema foi a contratação de mais funcionários para garantir melhores condições de trabalho aos funcionários e de atendimento nas agências.

Saúde e condições de trabalho

Os trabalhadores apontaram graves problemas, como a pressão das metas, o assédio moral, o estresse e o adoecimento, que são piorados pela carência de pessoal e sobrecarga de trabalho. As discussões abordaram também o cumprimento da jornada de seis horas para todos os funcionários.

Remuneração

Os dirigentes sindicais chamaram a atenção para as diferenças salariais na mesma função, a ausência de um plano de cargos e salários (PCS) e a falta de transparência nos programas próprios de remuneração variável. Os trabalhadores ressaltaram que os diretores do Santander recebem salários e bônus milionários, o que evidencia a concentração de renda no banco.

Previdência complementar

Os bancários enfatizaram a falta democracia e transparência no SantanderPrevi, a redução das contribuições do Santander na migração dos participantes do ex-Holandaprevi até 31 de maio de 2009, o não aporte do serviço passado pelo banco no plano II do Banesprev e a ausência de contribuições da patrocinadora em planos do Sanprev.

Dentro do tema, foi renovada a proposta de unificação da gestão de todos os planos por uma única entidade de previdência complementar, o Banesprev.

Saúde suplementar

Foi destacada a necessidade de manutenção do plano de saúde na aposentadoria com as mesmas condições de cobertura que o bancário usufruia enquanto estava na ativa, mediante pagamento de mensalidade correspondente ao valor que era descontado de seu holerite (contracheque). Os bancários cobraram transparência, com a disponibilização dos contratos e coberturas dos planos de saúde e o envio mensal de extrato com a discriminação das despesas de cada bancário.

Combate à terceirização

A Contraf-CUT alertou os funcionários sobre a importância de lutar contra o projeto de lei nº 4.330/2004, de autoria do deputado Sandro Mabel. O projeto pretende abrir as portas para a terceirização sem limites e tramita rapidamente no Congresso Nacional.

O Sindicato luta junto com a CUT contra a proposta, que precariza as relações de trabalho e representa grande perigo aos direitos constitucionalmente assegurados aos trabalhadores no Brasil.

Democratização da mídia

O debate durante o Encontro Nacional também tratou da luta pela democratização da comunicação no Brasil, lembrando a importância de uma mídia alternativa.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: