O Grupo de Trabalho do Saúde Caixa cobrou da Caixa Econômica Federal a entrega dos relatórios financeiros e o atuarial do Saúde Caixa que, mais uma vez, não foram apresentados pelo banco. Além dos relatórios, a instituição também não apresentou os balancetes mensais dos anos 2014, 2017, 2018 e 2019, conforme prevê o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT). Esta foi a última reunião do GT Saúde Caixa do ano que aconteceu no dia 20 de dezembro, em Brasília.

Durante a reunião do GT, a Caixa esclareceu algumas dúvidas sobre o balanço do Saúde Caixa e a questão da recomposição da proporção 70%/30%. Assuntos também debatidos na última reunião do Conselho de Usuários. E mais uma vez não foi apresentado os relatórios/balancetes completos.

“Nós vamos continuar cobrando e batendo nesse assunto, porque o acesso à informação é essencial para debater os números e principalmente e se necessário for debater algum tipo de reajuste. Para concordar com qualquer reajuste no Saúde Caixa nós temos que ter confiança nos números que a CAIXA está apresentando”, afirmou Fabiana Uehara Proscholdt, coordenadora do GT e secretária da Cultura e representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf-CUT) nas negociações com o banco.

Outro destaque da reunião do GT foi o RH 221, no normativo ainda existem itens que confrontam o ACT e itens que já foram “negociados/esclarecidos”. A CAIXA informou que ainda não tem previsão de quando publicará a nova versão, mas que o que já foi negociado está sendo aplicado.

“Sugerimos que antes que a CAIXA proceda com a publicação do normativo, que ele seja revisto pelo GT. Inclusive vamos encaminhar um documento com todos os itens que temos divergência da atual versão para que possamos construir esse normativo em conjunto e que os nossos pleitos atendidos”, explicou Fabiana.

O GT Saúde Caixa é mais uma conquista do nosso ACT e espaço de diálogo de construção junto à CAIXA e de assessoramento da CEE/Caixa. É preciso valorizar e respaldar esses espaços ainda mais considerando uma conquista tão importante como o Saúde Caixa.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: