Durante sabatina com pré-candidatos à presidência realizada pelo jornal Correio Braziliense nesta quarta-feira, 6, o ex-ministro da Fazenda e candidato do MDB, Henrique Meirelles, afirmou que a CAIXA vem sendo preparada para dar início a um processo de abertura de capital, com a venda de parte da empresa para a participação privada – modelo que, acrescentou, defende também para a Petrobras e o Banco do Brasil. “A CAIXA está sendo preparada para isso, com o novo estatuto e etc. Com o tempo, podemos até pensar, sim, em abrir o capital, começar a vender participação privada”, afirmou.

A declaração só vem corroborar o que, há tempos, é denunciado pelos movimentos sindical e social, por intermédio de suas entidades e, de forma centralizada, pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas.

“Acho que o ex-ministro se esqueceu que foram esses movimentos, junto com a mobilização dos empregados e da população, que por duas vezes conseguiram derrubar a transformação da CAIXA em sociedade anônima. Porém, temos que nos manter alertas e saber que há ainda uma outra estratégia de privatização em curso no banco, que é a venda de ativos como as Loterias Instantâneas (a Lotex), cujo leilão deve ocorrer em julho”, aponta a coordenadora do Comitê e representante dos empregados no Conselho de Administração da CAIXA, Rita Serrano.

“Doação” e eleições

Rita explica que, no início de 2016, quando a privatização das Loterias Instantâneas entrou em discussão, o governo esperava arrecadar aproximadamente R$ 4 bilhões, mas, como não houve interessados, baixou a oferta a R$ 450 milhões, de olho nas empresas estrangeiras. “E, assim, o Brasil perde duas vezes. Perde nos valores que iriam para investimento social e perde com as divisas”, avalia, acrescentando que até agora só uma multinacional se mostrou interessada. “Na verdade, o governo vai doar essas loterias”.

Uma “doação” que fere de morte os recursos para o desenvolvimento social, como se já não bastassem os cortes promovidos pela PEC do Teto ou os desvios que ocorrerão para subsidiar o diesel.

Só em 2016, as loterias arrecadaram R$ 12,8 bilhões. Cerca de 40% deste valor foi repassado para investimento em áreas sociais como cultura, esportes, educação, em programas como o Financiamento Estudantil (Fies), na seguridade social e no fundo penitenciário nacional. Um estudo sobre as loterias, inclusive sob o aspecto jurídico da privatização, está sendo realizado para a Fenae e o Comitê e deverá ser divulgado em breve.

Além de Meirelles, também o pré-candidato Flávio Rocha (PRB) disse ser a favor do Estado mínimo e defendeu a privatização de uma série de estatais. Se Meirelles foi CEO do Bank of Boston e um dos criadores do banco Original, Rocha é dono das lojas Riachuelo.

Outros, como Geraldo Alckmin (PSDB), tentaram tergiversar sobre o tema, mas ele mesmo havia declarado, em fevereiro, que vai privatizar “o que for possível” caso eleito. Bolsonaro, por sua vez, embora mantenha discurso de fachada de só privatizar o que não é estratégico, trabalha com a perspectiva de “privatizar tudo” se eleito, como já afirmou à imprensa seu eventual ministro da Fazenda, Paulo Guedes.

“Todos eles fazem parte de um mesmo projeto de desmonte do patrimônio público. Por isso, é fundamental que, nas próximas eleições, as pessoas saibam exatamente quais são os interesses que os candidatos representam, tanto na presidência quanto no Congresso. Votar em banqueiros ou empresários, em gente comprometida com o grande capital, é apostar na privatização, e não nos bens, serviços e empresas públicas de qualidade ou nos direitos dos trabalhadores”, aponta Rita Serrano.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com boletim “Sua Voz, Nossa Voz” (CA Rita Serrano)

 

 

Compartilhe: