Foi realizado, nesta segunda-feira, 11, e nesta terça-feira, 12 de abril, em Curitiba, o III Fórum Nacional pela Visibilidade Negra no Sistema Financeiro. Bancários de todo o país se reuniram para debater as práticas discriminatórias que favorecem somente aqueles que, hegemonicamente, detêm o capital, segregando e precarizando as relações e as condições de trabalho na sociedade, a fim de concentrar riquezas. O Sindicato participou do evento representado pelo diretor Sebastião Maria.

Na abertura do evento, o secretário de Combate ao Racismo da Contraf-CUT, Almir Aguiar, lembrou que, apesar de ser maioria da população brasileira, os negros ocupam apenas 24,7% dos postos de trabalho nos bancos. “Nós precisamos avançar na questão da visibilidade negra na sociedade a também no sistema financeiro. Por isso, ao longo dos próximos dois dias, iremos debater temas fundamentais para construir propostas de combate ao racismo na categoria bancária”, afirmou.

“Os temas abordados no III Fórum são pertinentes para efetivar nossas lutas por igualdade. Esse é o caminho que buscamos, pois, a construção da igualdade é o caminho de uma sociedade mais justa, num ambiente de trabalho justo, com uma participação maior de negros e negras. Assim, refletindo a sociedade brasileira de fato onde os negros representam 53% da população. Precisamos avançar no Sistema Financeiro, pois são 520 bancários em todo país, mas, infelizmente, só 24,7% de bancários negros atuam no sistema”, disse Almir Aguiar.

“É visível que as elites estão insatisfeitas com a ascensão social das populações pobres, predominantemente negras, nos últimos anos. Ver o negro ocupando espaços públicos e de poder tem causado um mal-estar terrível para essas pessoas. É por isso que essa luta precisa ser feita por nós, bem como a luta em defesa do estado democrático de direito”, completou Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT.

Foram realizadas diversas mesas temáticas nos dois dias de evento. Nesta segunda, os participantes do Fórum analisaram a conjuntura política das relações raciais no Brasil, debateram mercado de trabalho, políticas de combate ao racismo, assim como o Estatuto da Igualdade Racial e as políticas de cotas. Já nesta terça, foram realizadas mesas sobre a experiência da categoria no combate à discriminação racial, a proposta de cláusula de Combate ao Racismo e os desafios e compromissos das entidades na luta contra a discriminação.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT e Seeb Curitiba

Compartilhe: