O Conselho de Administração da CAIXA aprovou nesta quinta-feira, 23, durante reunião em Brasília (DF), a proposta de incorporação do plano de benefícios REB ao Novo Plano da Funcef. Como já havia sido ratificada pelo Conselho Deliberativo da Fundação e pelo Conselho Diretor do banco, a metodologia segue agora para análise do Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Dest).

“Os avanços são resultado de anos de luta. Desde 2009, quando aprovou-se a incorporação do REB, houve muita pressão das entidades representativas dos empregados e aposentados da CAIXA. Ainda faltam alguns passos, mas nunca estivemos tão perto. São cerca de 9 mil participantes que estão acumulando prejuízos, porque poderiam estar em um plano de benefícios muito melhor”, destacou Fabiana Matheus, coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados (CEE-Caixa/Contraf-CUT) e ex-conselheira deliberativa eleita da Funcef.

Após a manifestação favorável dos órgãos reguladores, a metodologia deverá ser divulgada aos participantes.

Investigações

Na reunião desta quinta-feira, 23, os dois conselheiros eleitos questionaram quais procedimentos estão sendo adotados pela CAIXA com relação à Operação Lava Jato.

“A presidente Miriam Belchior informou que está abrindo apuração interna para averiguar os fatos denunciados pela Polícia Federal. Ela também reiterou que a CAIXA vai colaborar com as investigações e encaminhar os contratos relacionados às empresas citadas à Controladoria Geral da União, à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal”, relatou Maria Rita Serrano.

Descontentamento com a CAIXA

No debate sobre o orçamento da CAIXA, os conselheiros eleitos também revelaram o descontentamento dos empregados com medidas que têm sido adotadas para reduzir custos. É o caso do cerceamento nas substituições e no pagamento de horas extras, bem como a falta de contratações para substituir os que estão saindo no Plano de Apoio à Aposentadoria.

Para eles, o banco precisa acelerar o ritmo das convocações, a fim de evitar a sobrecarga dos trabalhadores e a piora das condições de trabalho e do atendimento prestado à população nas agências.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Fenae

Compartilhe: