Em ação movida pelo Sindicato, através de seu departamento jurídico, o Itaú foi condenado a pagar uma indenização de R$ 100 mil a um bancário vítima de assédio moral.
O bancário – que havia sido dispensado pelo banco e foi reintegrado por decisão da Justiça do Trabalho em outro processo movido pelo Sindicato- era obrigado a ficar numa sala sem contato com os demais colegas e completamente ocioso. Mesmo assim, era obrigado a cumprir horário de trabalho normalmente.
O juiz que decidiu a causa afirmou que, diante das provas apresentadas pelo autor, especialmente as testemunhas, estava configurado o assédio moral, “eis que o reclamado, reiteradamente e de forma sistematizada, praticou conduta abusiva, ao retirar do reclamante o seu bem mais precioso, qual seja, a realização de seu mister”.
Para o diretor jurídico do Sindicato, Fernando Neiva, uma dos principais bandeiras defendidas pela entidade é o respeito à dignidade humana. “Uma das nossas bandeiras é o combate ao assédio moral praticado pelos bancos. A sentença foi a resposta que o Sindicato deu ao Itaú contra esta prática perversa e desumana. Continuaremos a lutar com todas as armas seja através da mobilização da categoria ou na Justiça para defender o direito do trabalhador”, afirmou.

 

Compartilhe: