Em matéria publicada nesta sexta-feira, 26 de junho, o jornal Estado de Minas repercutiu denúncias do Sindicato e de empregados da CAIXA sobre a convocação precoce dos trabalhadores para o retorno ao trabalho presencial. O jornal destacou que o banco tomou a decisão sem comunicação formal e prévia, desrespeitando as negociações.

De acordo com relatos publicados pelo Estado de Minas, dezenas de empregadas e empregados foram chamados de volta ao trabalho presencial. Os trabalhadores foram convocados por meio de chamadas de WhatsApp ou Skype de supervisores e coordenadores, sem explicação sobre o motivo. Seria apenas “ordem de Brasília”.

Outra denúncia recorrente do Sindicato repercutida pelo jornal foi a mudança, também sem negociação, do protocolo da CAIXA para os trabalhadores do grupo de risco para a Covid-19.

A presidenta do Sindicato, Eliana Brasil, falou ao Estado de Minas sobre a situação dos empregados e ressaltou que a CAIXA está na contramão da realidade epidemiológica do Brasil.  “Estamos vivendo um momento crítico da pandemia. É um descaso o que a CAIXA está fazendo com seus empregados. Um desprezo pela vida. Não tem um comunicado formal desta convocação, fizeram ligação telefônica aos empregados, o que impede que entremos com um mandado de segurança na Justiça, por exemplo”, afirmou.

Segundo Viviane Alves, professora do Departamento de Microbiologia da UFMG que também foi ouvida pelo Estado de Minas, ainda não é o momento de retomada do trabalho presencial, principalmente, para atividade não essenciais. “Ainda é muito cedo para aglomerar pessoas em qualquer lugar”, comentou.

Mesmo procurada pelo jornal, da mesma forma que tem sido cobrada pelo Sindicato, a CAIXA não deu retorno sobre os questionamentos dos trabalhadores.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Estado de Minas

 

Compartilhe: