Após forte pressão dos trabalhadores em todo o Brasil, o Santander anunciou o encerramento antecipado do projeto de “orientação financeira”, com bancários trabalhando “voluntariamente” aos sábados. A proposta inicial era de encerrar o projeto no dia 29 de junho.

Durante o período, o Sindicato se mobilizou para orientar os trabalhadores e denunciou que a medida foi imposta pelo banco sem negociação. Além disso, apesar da suposta adesão “voluntária”, funcionários se sentiram intimidados, temendo sofrer represálias de gestores.

É importante destacar que o sábado como dia de descanso remunerado é garantido pela Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria e também pela legislação trabalhista.

Já o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos bancários do Santander estabelece, em sua cláusula 35, que demandas do banco e dos empregados inerentes à relação de trabalho devem ser tratadas no Comitê de Relações Sindicais.

“Mais uma vez, a luta e a mobilização garantiram que os direitos de bancárias e bancários sejam respeitados. Mesmo com o interdito proibitório, instrumento jurídico utilizado de forma autoritária pelo Santander, o Sindicato esteve nas unidades para protestar contra a abertura e dialogar com funcionários e a população. O Sindicato continua atento para defender os direitos dos trabalhadores e combater os abusos do banco”, destacou Wagner dos Santos, que é funcionário do Santander e diretor do Sindicato.

 

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: