O balanço financeiro anual do Mercantil do Brasil confirma, mais uma vez, a trajetória positiva e crescente do desempenho da instituição. Em 2015, o resultado operacional alcançou R$ 87,481 milhões e o lucro líquido ficou em R$ 70,433 milhões.

Em relação ao pagamento de participação nos resultados do Mercantil, a divulgação do lucro e o pagamento dos valores referentes ao programa de 2015 não ficaram totalmente esclarecidos para a maioria dos bancários. Neste sentido, o Sindicato enviará cópia do balanço para o Dieese, para que seja realizada análise e conferência. Logo após o resultado dos estudos, será agendada reunião com a direção do banco para o debate de todos os aspectos financeiros devidos aos trabalhadores.

Para Marco Aurélio Alves, funcionário do Mercantil e diretor do Sindicato, a divulgação dos valores relativos ao pagamento do programa próprio de participação nos lucros e resultados do Mercantil frustrou grande parte dos funcionários, que esperavam uma melhor remuneração ante ao significativo aumento de lucratividade em 2015. “Faltou transparência no programa de planilha de acompanhamento de PLR, que ficou vários meses inoperante, e também há uma grande frustração sobre a discrepância entre os valores projetados e os realmente pagos, que foram, mais uma vez, prejudicados pelo não atingimento da meta do critério de redução de despesas, apesar de todo o empenho e dedicação dos funcionários para o cumprimento deste fator”, explicou.

Já Vanderci Antônio da Silva, funcionário do Mercantil e diretor do Sindicato, afirmou que a análise dos economistas e técnicos do Dieese trará subsídios para o debate junto ao Mercantil sobre os valores de PLR recebidos pelos funcionários, assim como sobre o futuro do programa para 2016. “O Mercantil tem o dever de esclarecer minuciosamente todos os critérios para a implementação e o pagamento do seu programa próprio de participação nos lucros e resultados. Os funcionários, que são responsáveis pelo incremento do lucro do banco, exigem o reconhecimento econômico compatível aos esforços de todos. Neste sentido, o Sindicato só irá assinar o programa desse ano se for garantido, plenamente, o direito à informação ampla a todos os funcionários do banco”, ressaltou.