O Sindicato foi informado pelo Mercantil do Brasil, em contato telefônico com o superintendente de RH do banco, Márcio Ferreira, de que serão tomadas novas medidas em relação ao combate ao novo coronavírus.

Após intensas cobranças do Sindicato, da Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de Minas Gerais (Fetrafi-MG/CUT) e de funcionários em todo o Brasil, o Mercantil afirmou que divulgará um comunicado interno para todos os trabalhadores. A decisão, segundo o banco, foi tomada após reuniões entre os membros do comitê de gestão de crise instituído pelo Mercantil.

Milhares de funcionárias e funcionários estavam apreensivos, pois o banco ainda não havia se pronunciado oficialmente sobre a especificidade do atendimento ao público-alvo do Mercantil, que são os aposentados e pensionistas do INSS. Muitos deles compõem o grupo de risco do novo coronavírus.

Nos primeiros dias úteis de cada mês, ocorre um grande fluxo desses clientes nas agências para saque e acesso aos benefícios previdenciários, o que poderá acarretar grande risco para os trabalhadores e também para os usuários dos serviços bancários.

O movimento sindical cobrou do Mercantil do Brasil a adoção de medidas que já estão sendo aplicadas em outros bancos. Sendo assim, gestantes, funcionários acima de 60 anos, portadores de doenças crônicas, como diabetes, cardíacos, hipertensos, asmáticos e portadores de outras doenças pulmonares, além de pessoas com câncer, devem trabalhar prioritariamente em isolamento em casa. Ainda que o trabalho de algum bancário deste grupo não possa ser efetuado em home office, ele deverá ser liberado para ficar em casa, à disposição do banco. Também devem ser dispensados menores aprendizes e estagiários.

O Sindicato e a Fetrafi-MG/CUT também reforçaram a importância de o Mercantil adotar alguns princípios básicos, como:

  1. Limpeza e higiene: reforçar a limpeza e a higiene em todos os locais de trabalho, conforme orientação do Ministério da Saúde, e orientar os funcionários;
  2. Cancelamento de eventos, treinamentos e reuniões que tenham aglomerações;
  3. Cancelamento de viagens.
  4. Adoção de quarentena para bancários que voltarem de viagens ao exterior;
  5. Antecipação da campanha de vacinação da gripe para 15 de abril.

“Estamos atentos à preocupação de milhares de bancárias e bancários do Mercantil e precisamos nos antecipar para o enfrentamento a pandemia que é real, trágica e que atinge também a saúde psíquica e emocional dos trabalhadores e clientes. Temos que tomar medidas urgentes para proteger todos do contágio. O Mercantil não pode se isentar de sua responsabilidade”, observou Marco Aurélio Alves, funcionário do Mercantil do Brasil e diretor do Sindicato.

Para Vanderci Antônio da Silva, “como é muito grave a pandemia, ainda temos muito a fazer. O Mercantil do Brasil precisa, por exemplo, de uma comunicação mais afirmativa com as agências, departamentos e Matriz, onde há mais concentração e fluxo de pessoas. As medidas têm que ser eficazes contra a propagação do vírus e para a garantia da saúde de todos os envolvidos”.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

 

Compartilhe: