Mesmo em meio à pandemia e obtendo lucros bilionários, grandes bancos brasileiros estão demitindo trabalhadores. Isto depois de terem firmado compromisso com a categoria de que não demitiriam durante a crise sanitária. Por isso, bancárias e bancários estão mobilizados para denunciar a irresponsabilidade de bancos como o Itaú, o Santander e o Mercantil do Brasil.

“Estamos vivendo um momento delicado para a economia e para a saúde da população. Por isso, é absurdo o que ocorre em grandes bancos, que lucram mesmo na crise e demitem centenas de pais e mães de família. Além do Itaú, do Santander e do Mercantil do Brasil, o Bradesco, agora, também emitiu um comunicado em que dá a entender que pretende iniciar um processo de demissões. Não aceitamos e exigimos que os bancos tenham responsabilidade social e cumpram o que prometeram”, destacou o presidente do Sindicato, Ramon Peres.

O Bradesco foi a companhia aberta com os maiores lucros da América Latina no primeiro semestre de 2020. Foram mais de R$ 7 bilhões. Já o Itaú é a marca mais valiosa do Brasil, avaliada em R$ 24,5 bilhões, e o Santander tira do Brasil seu maior lucro no mundo.

Marketing

Um dos grandes bancos que descumpre o acordo firmado no começo da pandemia é o Itaú. Foram cerca de 400 demissões, principalmente no setor de Veículos. O banco vai contra as próprias propagandas que faz na TV, em que tenta mostrar um lado humano e suas contribuições no combate à pandemia.

O campeão das demissões em 2020 é o Santander. Foram cerca de mil bancárias e bancários demitidos desde maio, quando o banco começou a escalada de demissões. O lucro do banco no país representa 32% de todo seu lucro mundial.

Luta contra as demissões

O Sindicato cobra a suspensão das demissões e continua em campanha para denunciar a quebra de compromisso dos bancos de não demitir durante a pandemia. Várias campanhas já foram realizadas e continuam ocorrendo nas redes sociais e em frente às agências.

Acompanhe o Sindicato para também fazer parte desta luta: Facebook | Twitter | Instagram

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: