capa

Fotos: Alessandro Carvalho

Bancárias e bancários se uniram a diversas outras categorias e movimentos sociais para ir às ruas nesta quinta-feira, 22 de setembro, Dia de Paralisação Nacional. Em um grande ato, os trabalhadores protestaram contra os ataques do governo golpista de Michel Temer aos direitos conquistados, às políticas sociais e ao patrimônio do povo brasileiro.

O Sindicato marcou forte presença na manifestação e a presidenta da entidade, Eliana Brasil, falou aos manifestantes sobre a importância da mobilização e sobre a greve nacional da categoria bancária, que chegou ao seu 17º dia. Nesta terça-feira, a adesão cresceu e as atividades foram paralisadas em 74,5% das unidades de trabalho na base de Belo Horizonte e região.

O ato teve início na Praça da Estação, no centro de Belo Horizonte, e os trabalhadores saíram em passeata até a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, onde foi realizada uma audiência pública sobre a PEC 241, projeto do governo que pretende congelar por 20 anos os gastos sociais.alc_8510

Organizado pela CUT, outras centrais e movimentos sociais, o Dia de Nacional de Paralisação foi marcado por atos, em todo o Brasil, em defesa da soberania nacional e da classe trabalhadora. Entre as ameaças que já se apresentam através do governo golpista, estão as reformas trabalhista e da Previdência, o desmonte do Sistema Único de Assistência Social, a privatização da saúde e da educação, a venda de empresas estatais, a ampliação da terceirização e a prevalência do negociado em detrimento da legislação.

Ministros de Michel Temer já defenderam jornada de 12 horas diárias, apoiam a terceirização sem limites, contratos de trabalho por produtividade ou hora trabalhada. Até o momento, o governo não apresentou qualquer agenda para proteção do emprego e combate ao desemprego no país. Ao contrário, as medidas anunciadas aprofundarão a crise que o Brasil vive.

“Neste momento difícil, em que nossa democracia foi golpeada para atender aos interesses dos empresários e dos mais ricos, temos que reforçar nossa união. Bancárias e bancários estão ao lado das outras categorias de trabalhadores para combater qualquer medida deste governo golpista de ataque aos nossos direitos duramente conquistados. Não aceitaremos retrocessos e seguimos em luta permanente em defesa da classe trabalhadora”, afirmou a presidenta do Sindicato, Eliana Brasil.

Mobilização para pressionar os bancos

Diante da falta de respostas por parte da Fenaban, bancárias e bancários precisam reforçar a mobilização.

A greve da categoria bancária continua nesta sexta-feira, 23, e o Sindicato realiza ato a partir das 12h em frente à agência do Bradesco na rua Juiz de Fora, 286, Barro Preto, em Belo Horizonte.

 

Confira mais imagens do grande ato realizado em Belo Horizonte neste Dia Nacional de Paralisação:

 

 

Compartilhe: