A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da CAIXA é veementemente contra a postura do banco público de cobrar metas dos empregados em plena pandemia de coronavírus e enquanto ocorre o pagamento do auxílio emergencial. O anúncio foi feito em reunião virtual, na tarde desta quarta-feira, 3, pela vice-presidência da Rede de Varejo (Vired) em conjunto com a vice-presidência de Varejo (Vimov).

“O banco trata as metas como se estivéssemos em situação de normalidade e não em meio a uma pandemia. Os empregados já estão bastante desgastados com o atendimento para a população, em especial devido ao auxílio emergencial, que é bastante esgotante e, paralelo a isso ainda, têm o medo de serem contaminados e de contaminarem os seus familiares”, afirmou a representante da Contraf-CUT nas negociações com a CAIXA, Fabiana Uehara Proscholdt.

A postura da CAIXA contraria os compromissos firmados pelo próprio banco desde o início da pandemia. Em março, a direção da CAIXA havia se comprometido a suspender a cobrança de metas durante a pandemia de coronavírus. Já no começo de abril, em documento, a vice-presidência de Varejo havia afirmado que “nenhuma unidade ou empregado terá impacto na sua carreira em razão dos resultados observados enquanto durar esta fase de confinamento”. Depois, no início de maio, havia comunicado a suspensão da GDP.

“Gerentes têm chegado nas unidades antes das sete horas, os empregados passam o dia todo gerando token para pagamento de auxílio emergencial, como os colegas vão cumprir as metas?”, questionou Fabiana.

Relaxamento das medidas de segurança

Ao mesmo tempo em que volta com a cobrança das metas, a CAIXA também relaxa as medidas de segurança relacionadas à saúde de seus empregados, com o retorno de trabalhadores de áreas-meio que estavam em sistema de teletrabalho e mudanças nas regras de afastamento dos terceirizados.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: