Os empregados da CAIXA iniciam o ano de 2017 conscientes de que somente uma forte mobilização será capaz de barrar as arbitrariedades da direção do banco e as tentativas de desmonte pretendidas pelo desgoverno Temer.

Nesta quinta-feira, 12 de janeiro, quando a CAXA completa 156 anos de existência, empregadas e empregados voltam a protestar contra os ataques desferidos aos seus direitos duramente conquistados realizando um Dia Nacional de Luta. O objetivo é reforçar a importância de se ampliar a campanha em defesa do banco público e deixar claro que não irá aceitar qualquer iniciativa que atente contra o caráter social e 100% público da CAIXA.

“Atualmente esse é o nosso grande desafio. Por isso, a participação de todos os bancários da CAIXA é fundamental para que possamos envolver toda a sociedade nessa nossa luta. A nossa história comprova que só com a união de todos poderemos manter a CAIXA 100% pública”, destacou Eliana Brasil, presidenta do Sindicato.

Descomissionamentos prejudica empregados

Hoje, uma das principais lutas dos empregados é contra os descomissionamentos. A CAIXA insiste em impor de forma arbitrária a versão 33 do RH 184. As propostas apresentadas pelos representantes dos trabalhadores são resultado de amplo debate em todo o país e nos congressos da categoria. Por isso, os empregados continuarão a lutar pela implantação dessas demandas, apesar da intransigência do banco.

A CAIXA propôs que as indicações para os descomissionamentos devem ser aplicadas em dois momentos, com intervalo de, no mínimo, 60 dias, dentro do período de 730 dias, observada a recorrência dos fatos que levaram ao primeiro apontamento. A representação dos empregados é contra a empresa dar a prerrogativa a indivíduos para descomissionar de forma sumária empregados que construíram uma história na CAIXA e com suas carreiras ajudaram o banco a crescer.

Caixa minuto ameaça função e afeta atendimento

A CAIXA insiste em não rever uma política que restitua a dignidade da função de caixa. Os representantes dos trabalhadores reafirmam que o Caixa Minuto ameaça não só a existência da função, prejudicando o trabalhador, como afeta negativamente a população e a função social desempenhada pela instituição. A representação dos empregados denuncia que as ameaças são muitas e ressalta que somente a mobilização dos empregados poderá constituir uma resistência contra esses ataques.

Compartilhe: