A negociação da Campanha 2014 entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban começa nesta terça-feira, 19, em São Paulo. A presidenta do Sindicato, Eliana Brasil, participa da composição da mesa como representante da Comissão Executiva de Empregados da Caixa (CEE/Caixa). O tema da primeira rodada será saúde e condições de trabalho. Com uma rotina de trabalho estressante, a categoria bancária está entre as que mais registram adoecimentos relacionados ao trabalho.

Na rodada temática, que vai até a quarta-feira, 20, o Comando Nacional pretende realizar um amplo debate sobre a saúde dos bancários, apontar para os grandes e graves problemas que a categoria enfrenta diariamente e direcionar para ações necessárias que venham a superar e transformar os ambientes de trabalho em ambientes saudáveis, livres de adoecimento e de afastamentos.

Metas abusivas impostas pelos bancos e assédio moral estão entre os inúmeros problemas que têm feito o trabalhador do ramo financeiro pagar com a própria saúde. Em 2013, 18.671 bancários doentes foram afastados do trabalho pelo INSS. O número representa um crescimento de 41% em relação aos últimos cinco anos.

Doenças do sistema nervoso

Entre os bancários, as doenças mentais já superam os casos de LER/Dort (Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho). Do total de auxílios-doença acidentários registrados pelo INSS em 2013, 52,7% tiveram como causas principais os transtornos mentais e do sistema nervoso.

Isso significa dizer que de cada dez bancários doentes, cinco são por depressão. Ao comparar os dados 2009 até 2013, os casos de doenças do sistema nervoso e transtornos mentais e comportamentais cresceram 64,28%, saltando de 3.466 para 5.694.

LER/Dort

As LER/Dort aparecem como a segunda causa de afastamentos da categoria. Os números também são altíssimos e não param de crescer. Foram 4.589 benefícios acidentários e previdenciários concedidos a bancários pelo INSS só em 2013. Os afastamentos do trabalho causados por LER/Dort tiveram um crescimento de 27,54% nos últimos cinco anos. Em 2009 eram 3.598 casos.

Principais reivindicações

– Fim das metas abusivas
A política de metas e todos os mecanismos de pressão e avaliação de resultados têm se revelado como risco para a saúde dos trabalhadores. Logo, esse modelo deve ser discutido e negociado com os trabalhadores.
Mais: o bancário que desempenha a função de caixa não pode ser submetido a metas. É preciso redimensionar as metas quando a equipe for reduzida em caso de férias, licenças, etc. A meta deve levar em consideração o número de empregados envolvidos no processo para a sua execução.

– Combate ao assédio moral
O instrumento previsto na convenção coletiva precisa ser aprimorado e, para tanto, uma das reivindicações é a garantia à vítima de assédio moral a mudança de local de trabalho, sendo o banco obrigado a providenciar de imediato tal pedido.
Outra forma de aprimorar o instrumento já convencionado seria o envio da resposta por escrito ao sindicato, quando de uma denúncia transitar pelos canais do instrumento.

– Isonomia para afastados
É preciso garantir que bancários afastados por motivo de doença tenham os mesmos direitos dos trabalhadores da ativa, como vale transporte, vale refeição, vale-alimentação e PLR.

Reunião do Comando Nacional

O Comando Nacional se reúne nesta segunda, às 14h, na sede da Contraf-CUT, no centro da capital paulista, para preparar os debates acerca da primeira rodada de negociação com a Fenaban.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: