O Sindicato dos Bancários de BH somou forças com outros sindicatos, federações e confederações CUTistas e  representantes de movimentos sociais no ato do Dia Internacional da Mulher, com desfile dos blocos “Mulheres nas Ruas” e “Desobedientes do Ritmo”, organizado pela Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG). Várias diretoras da entidade participaram  da atividade, que começou com concentração da Praça Afonso Arinos, teve caminhada atrás do caminhão de som da CUT/MG pelas avenidas João Pinheiro, Álvares Cabral e Afonso Pena, com ato público na Praça Sete, Região Central de Belo Horizonte, que se estendeu até o início da tarde deste sábado, 8 de março.
 
Além do Sindicato dos Bancários, participaram do ato dirigentes da CUT/MG, representantes do Sindibel, Sind-Saúde/MG, Sind-UTE/MG, Sindicato dos Metalúrgicos de BH e Contagem, Sindieletro, Sindágua,  Senalba, Federação Estadual dos Metalúrgicos (FEM-CUT/MG), Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), Marcha Mundial das Mulheres, Movimento de Mulheres Olga Benário, Levante Popular da Juventude, Ocupação Dandara, MST, MAB, DCE da UFMG Enegrecer, DA da UFMG de Montes Claros, UBES, UCMG, União Juventude Socialista, Assembleia Popular Horizontal,  entre outras entidades e movimentos sociais.

Durante o ato, os manifestantes dialogaram com a população sobre o direito a creche para todas as crianças, a legalização do aborto, ampliação da participação das mulheres na política,  reforma política e plebiscito, contra o turismo sexual durante a Copa do Mundo, contra a violência contra as mulheres, contra a mercantilização do corpo da mulher, contra o assédio sexual, por salários igual para trabalho igual,  entre outros temas.

Representando o Sindicato, a diretora de Cultura da entidade, Eliana Brasil ressaltou, em seu discurso, a importância das conquistas alcançadas pelas mulheres nos últimos anos no país, e chamou a atenção para necessidade de vencer os vários preconceitos que ainda persistem na sociedade brasileira. “É inegável que temos conquistado espaços importantes, mas ainda há muito que conquistar. Hoje a mulher brasileira está presente na presidência da república em vários  ministérios importantes, no parlamento, nas assembleias legislativas, nas câmaras municipais, na direção de grandes empresas e no comando de importantes sindicatos defendendo os interesses das trabalhadoras e trabalhadores. Mas precisamos ampliar ainda mais essa participação, principalmente através da atuação das nossas jovens que são o futuro da nação”, afirmou.

 

 

Compartilhe: