Uma nova onda de descomissionamentos no Banco do Brasil fez mais vítimas com a perda do cargo e redução de salário via Gestão de Desenvolvimento por Competências (GDP).

O BB investiu milhões de reais no desenvolvimento da ferramenta, com treinamento de gestores e demais funcionários para efetivar a aplicação da GDP. Contudo, o dinheiro investido está sendo jogado fora, pois não se adota mais os critérios de avaliação em 360 graus conforme propagado.

Agora, para retirar o cargo dos funcionários, basta uma nota abaixo da média vinda do superior para que o banco entenda que pode efetivar o descomissionamento.

Banco altera critérios ao longo do tempo e gera terrorismo

A média das notas que, historicamente, era utilizada para avaliação de desempenho foi alterada, ao longo dos anos, pelo Banco do Brasil e os funcionários não entendem mais os critérios adotados.

O efeito imediato dessas ondas de descomissionamento é o terrorismo com todos os demais funcionários, principalmente os gerentes de relacionamento.

Acordo coletivo protege os funcionários

Consta no acordo coletivo que o Banco do Brasil observará três ciclos avaliatórios consecutivos de GDP, com desempenhos insatisfatórios, como requisito para dispensa de função ou de comissão.

A falta de critérios e de transparência nas avaliações tem causado perplexidade nos funcionários. Trabalhadores denunciam que as superintendências estão pressionando os gestores imediatos a cortar o cargo e salários dos funcionários, mesmo sem critérios claros.

Nova superintendência dos escritórios digitais passa por cima das unidades locais

Uma informação apurada pelo Sindicato é que o novo superintendente Nacional tem pressionado os gerentes a fazer o descomissionamento, uma vez que ele sequer conhece o funcionário que vai perder o cargo e ter redução de salário.

Esse modelo de gerenciamento à distância cria o que os funcionários estão chamando de “gerenciamento desumanizado”, já que, sem conhecer os funcionários, a nova Superintendência trata os gerentes de relacionamento com descaso e sem observar as ferramentas básicas da gestão de pessoas. Somente em Belo Horizonte, houve 4 descomissionamentos no último dia 1º de fevereiro.

Para Wagner Nascimento, diretor do Sindicato e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, o que mais causa indignação nos funcionários, além da falta de critérios, é o comportamento dos gestores que não dão os chamados feedbacks. “Houve caso em que o funcionário foi premiado com PDG mas, naquele semestre, a nota foi considerada insuficiente. Como o banco pode premiar por desempenho alto e considerar fraco esse desempenho no mesmo semestre? De fato, é o fim da GDP. Orientamos os funcionários a acompanhar de perto a sua avaliação, com as anotações e comentários necessários. Conforme já foi publicado pela Contraf-CUT, muitos gestores não anotam na GDP os feedbacks positivos com o objetivo de dificultar futuros questionamentos sobre critérios adotados”, afirmou.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: