O Outubro Rosa é um movimento mundial criado para chamar atenção para a realidade do câncer de mama. No Brasil, são registrados 59 mil novos casos por ano e a doença é uma das causas de morte mais comuns entre mulheres de 35 a 54 anos. Embora menos comum, ele também pode atingir os homens, especialmente depois dos 50 anos.

O nome Outubro Rosa remete à cor do laço que simboliza a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. O Sindicato apoia esta causa e destaca que a prevenção é fundamental, assim como as chances de cura são muito maiores com o diagnóstico precoce.

Entre os principais fatores de risco para o câncer de mama, estão o histórico familiar, o sedentarismo, consumo excessivo de álcool, obesidade, tabagismo e a idade – com quatro em cada cinco casos ocorrendo após os 50 anos de idade.

A doença é causada pela multiplicação de células anormais da mama, que formam um tumor. Há vários tipos de câncer de mama, com diferentes tempos de desenvolvimento. Por isso, a conscientização é fundamental para garantir a detecção precoce e mais eficácia no tratamento.

Neste sentido, é essencial também defender o Sistema Único de Saúde (SUS) e combater os cortes no orçamento desta área prioritária. O SUS oferece atendimento e tratamento gratuitos para a doença e 60% das pacientes com câncer de mama, no Brasil, dependem dele para se tratar.

Autoexame das mamas

Um dos grandes aliados das mulheres na detecção precoce do câncer de mama é o autoexame, que pode ser feito uma vez por mês. A melhor época é logo após a menstruação e, para mulheres que não menstruam, pode ser feito num mesmo dia de cada mês.

Durante o toque, é importante procurar deformações ou alterações no formato das mamas, abaulamentos ou retrações, feridas ao redor do mamilo, caroços nas mamas ou axilas e secreções pelos mamilos.

Estes sinais, se encontrados, não significam que a mulher está com câncer, mas são sinais de que deve ser procurado um médico.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Instituto Nacional de Câncer (Inca)

 

Compartilhe: