Funcionárias e funcionários realizaram paralisação nesta quarta, 10

Em reunião com o Comando Nacional dos Bancários, realizada na tarde desta quarta-feira, 10, o Banco do Brasil se manteve irredutível e não aceitou negociar o fim do comissionamento de função dos caixas, nem o abono dos dias de paralisação em protesto contra a proposta de reestruturação do banco, que prevê 5 mil demissões, o fechamento de 112 agências, de 242 postos de atendimento e sete escritórios.

O Comando já tirou uma lista de atividades para ser debatida nas plenárias que acontecerão nesta quinta-feira, além de um tuitaço às 11h.

Para a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários, a direção do banco segue a linha entreguista e de arrocho ao trabalho que vem sendo tocada pelo governo Bolsonaro. “Trata-se de um governo declaradamente contra os trabalhadores, que já cortou diversos direitos trabalhistas. Um governo que quer acabar com as empresas públicas e todo o funcionalismo. A população precisa ficar atenta, pois sem os serviços e os funcionários públicos ela contará apenas com o serviço privado, que busca exclusivamente o lucro e, na maioria das vezes, não presta um serviço adequado”, observou.

O funcionário do BB e diretor do Sindicato, Rogério Tavares, lembrou que foi a força da categoria e a organização das entidades sindicais que forçaram o banco a sentar na mesa para negociar. “Mas as negociações não avançaram e o banco não recuou com relação à reestruturação e aos descomissionamentos. Por isso temos que fortalecer ainda mais o nosso movimento”, destacou.

“É um absurdo o que este governo Bolsonaro está fazendo neste momento de pandemia. Demitir mais de 5 mil trabalhadores, diminuir salários e fechar agências é desumano. Isto é o cúmulo do desrespeito para com milhares de mães e pais de família. Mais do que nunca, é hora das funcionárias e funcionários do BB mostrarem a sua força e união e se somarem à organização do nosso Sindicato. Daí, a importância de todos participarem do tuitaço e das plenárias nesta quinta-feira, às 11h, para colocarmos o assunto entre os mais comentados do país”, ressaltou Ramon Peres, presidente da entidade.

Fique de olho no calendário atividades:

11/2, às 11h – Tuitaço com as hashtags #BBParado e #MeuBBValeMais

11/2 – Plenárias organizativas

  • Manutenção do Estado de Greve
  • Ações judiciais contra a desgratificação
  • Ações judiciais contra fechamentos das agências
  • Ações judiciais pedindo a reclassificação das faltas
  • Contato com parlamentares, prefeitos e governadores
  • Paralisações
  • Ações pontuais

18/2 – Plenárias

19/2 – Reunião de avaliação do Comando Nacional dos Bancários

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: