Após muita pressão do Sindicato ao lado dos trabalhadores, foi concretizada a parceria entre o Itaú e o Pampulha Iate Clube (PIC) para proporcionar lazer a bancárias e bancários do Itaú em BH e região. A vitória vem após várias rodadas de negociação em decorrência da intenção do banco de vender o Clube CRM de Betim.

O Pampulha Iate Clube (PIC) foi a escolha da maior parte de bancários em uma consulta promovida pelo Sindicato junto aos trabalhadores do Itaú e também na pesquisa realizada pelo banco. Agora, o Itaú fará repasses mensais ao PIC para que funcionárias e funcionários, assim como suas famílias, possam utilizar as dependências do clube.

Para Ramon Peres, funcionário do Itaú e diretor do Sindicato, “a conquista mostra o quanto temos de força e organização para defender os direitos e as conquistas dos trabalhadores. Nunca nos furtaremos de defender as bancárias e os bancários de BH e região. Temos, agora, uma parceria com um dos melhores clubes de Belo Horizonte que garantirá bons momentos de lazer para os trabalhadores”.

O acordo firmado com o PIC prevê:

  • Não haverá cobrança da taxa de cota para se associar ao clube
  • O Itaú Unibanco Clube arcará com 50% do valor da mensalidade, considerando a negociação de preço realizada entre as partes
  • Haverá duas formas de contratação, individual ou familiar
  • Valores que os bancários pagarão mensalmente diretamente ao PIC:
    • Cota Familiar – R$ 165,00 por mês
    • Título individual – R$ 82,50 por mês
  • Os associados terão direito a utilizar todas as instalações do PIC Pampulha e do PIC Cidade

Entenda o caso

Em 2012, o Sindicato conseguiu impedir que o Itaú, juntamente com representantes da FEEB-MG, acabasse com o patrimônio e direito adquirido das bancárias e bancários, inclusive com a verba financeira que o banco disponibilizava para a gestão do Clube CRM de Betim mensalmente.

Em seguida, o Sindicato garantiu a realização de novas eleições para que a gestão fosse feita pelos funcionários do Itaú. A chapa que ganhou as eleições desde então, estava fazendo a gestão do clube.

Antes do término da segunda gestão, voltaram ao tema de venda do Clube, alegando inviabilidade financeira e os bancários foram surpreendidos com a notícia de que o Itaú estava fechando o Clube, inclusive com data marcada.

Diante da situação, o Sindicato cobrou a abertura de negociações para discutir o destino do espaço de lazer e uma solução que não trouxesse prejuízos aos trabalhadores.

 

Compartilhe: