Após denúncia do Sindicato na última segunda-feira, sobre o Itaú ocupar o primeiro lugar  no ranking nacional de reclamações no Procon e sobre a atitude absurda da instituição financeira  proibir o atendimento à não-correntistas, direcionando-os para os correspondentes bancários,  o banco convocou a Superintendente de Operações de Minas Gerais para corrigir seu erro.

Nesta quinta-feira, 18 de janeiro, pela manhã, a Superintendência se reuniu com dois dos Gerentes de Suportes Operacionais dos segmentos BH1 e BH3 e seus respectivos Gerentes Operacionais, orientando-os  a “voltar a atender os não correntistas e incentivá-los à abrir uma conta no banco”.
Durante a restrição de atendimento a não-correntistas, somente um GSO contabilizou mais de 150 reclamações junto aos órgãos de defesa do consumidor e ao Banco Central.

Para a funcionária do Itaú e diretora do Sindicato, Jacqueline Cardozo, a iniciativa do banco de proibir o atendimento à não-correntistas contraria a legislação e desrespeita o ser humano. “Todos têm direito ao atendimento, mesmo porque em qualquer transação financeira feita nos banco já está embutido o custo operacional que é repassado ao cliente ou não-cliente. Então não justifica excluí-los” afirmou. Jacqueline lembrou que essas atitudes são utilizadas pelo banco para discriminar os usuários no atendimento e para justificar a redução do quadro de pessoal. “O Itaú quer reduzir o atendimento nas agências e demitir os caixas para baixar ainda mais o custo de sua folha de pagamento. Mas o Sindicato não vai admitir que o banco continue a agir com tamanha irresponsabilidade e desrespeito e vai continuar denunciando”, ressalta.

Compartilhe: