Após intensa mobilização da categoria e muitas rodadas de negociação com os bancos, a Campanha Nacional dos Bancários 2018 garantiu um acordo válido por dois anos, até 31 de agosto de 2020, com reposição da inflação e aumento real.

Para 2019, está garantido aumento no valor fixo e limite individual da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e em todas as verbas fixas salariais, como salário básico, vales, auxílios e gratificações. O reajuste será igual ao INPC acumulado, entre setembro de 2018 e agosto de 2019, mais 1% de aumento real.

A PLR é composta de regra básica e parcela adicional. A regra básica para pagamento é: 54% do salário mais R$ 1.413,46, com limite individual de R$ 7.582,49. O valor fixo e o limite individual serão corrigidos pela inflação de setembro de 2018 a agosto de 2019, acrescida de 1% de ganho real.

A regra da parcela adicional da antecipação é a seguinte: divisão linear de 2,2% do lucro líquido do 1º semestre de 2019, com limite individual de R$ 2.355,76, corrigido pela inflação de setembro de 2018 a agosto de 2019, acrescida de 1% de ganho real.

Os acordos assinados também definem datas limites para o pagamento da PLR, quando também são creditados os programas próprios de cada banco.

Veja a data limite para o pagamento das parcelas da PLR 2019/2020 nos principais bancos:

Bradesco – Antecipação até 20 de setembro de 2019 | 2ª parcela até 3 de março de 2020.

Itaú – Antecipação até 20 de setembro de 2019 | 2ª parcela até 3 de março de 2020.

Mercantil do Brasil – Antecipação até 20 de setembro de 2019 | 2ª parcela até 3 de março de 2020.

Banco do Brasil – O banco atendeu pedido de antecipação feito pelos trabalhadores e pagou a PLR referente ao primeiro semestre no dia 30 de agosto.

CAIXA – Após cobrança em mesa de negociação, o banco pagou a antecipação da PLR e da PLR Social no dia 3 de setembro. A segunda parcela será paga até 31 de março de 2020.

Santander – Mesmo com lucro de R$ 7,120 bilhões no primeiro semestre de 2019, o Santander será o único banco a pagar a antecipação com atraso, no dia 30 de setembro, descumprindo a CCT. O banco alegou dificuldade em rodar duas folhas de pagamento por conta do pagamento dos programas próprios. Já a segunda parcela deve ser paga até 3 de março de 2020.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: