ALC_0001

Fotos: Alessandro Carvalho

Nesta terça-feira, 6 de setembro, primeiro dia de greve, a grande adesão de bancárias e bancários mostrou a disposição de luta da categoria contra o descaso dos banqueiros. Foram paralisadas as atividades em 28,5% das unidades de trabalho de bancos públicos e privados na base de BH e região.

Em Belo Horizonte, um ato foi realizado em frente à agência Século da CAIXA, com a participação de muitos trabalhadores bancários. Houve apresentação de esquete teatral da Cia dos Aflitos, denunciando à população os problemas vividos nas unidades de trabalho e reforçando a importância da mobilização para defender direitos e garantir avanços na Campanha Nacional 2016.

A categoria segue em greve e, nesta quinta-feira, 8 de setembro, um ato será realizado em frente à agência Comércio do Bradesco, na rua Rio de Janeiro, 328, no centro de Belo Horizonte. A concentração ocorre a partir das 12h.

Na Campanha Nacional 2016, bancárias e bancários reivindicam reposição da inflação mais 5% de aumento real, valorização do piso, PLR melhor, fim da terceirização, combate às metas abusivas e ao assédio moral. Além disso, lutam em defesa dos direitos conquistados, dos empregos e dos bancos públicos.

“Neste primeiro dia de greve, a categoria já mostrou sua garra, deixando claro que não aceitará a retirada de direitos e o descaso dos bancos. Realizamos um ato com grande adesão em frente à agência Século da CAIXA e a expectativa é que a mobilização seja ainda maior na quinta-feira. Contamos com a presença de todos para aumentar a pressão sobre os banqueiros e as direções dos bancos públicos”, afirmou a presidenta do Sindicato, Eliana Brasil.

ALC_0002

Bancos dizem não para os bancários

Cinco rodadas de negociação já foram realizadas até agora, mas a postura dos bancos foi de negar avanços. Além de não apresentar uma proposta decente para as reivindicações, a Fenaban e as direções da CAIXA e do Banco do Brasil indicam que pode haver retrocessos e perda de direitos.

Com o atual governo golpista de Michel Temer, a situação se torna grave, já que os ataques aos direitos dos trabalhadores e ao patrimônio dos brasileiros são prioridades de sua agenda.

A mobilização e a adesão de todos são essenciais diante deste quadro. Só a luta pode garantir avanços e impedir que direitos duramente conquistados pela categoria bancária sejam retirados.

Confira mais fotos do primeiro dia de greve:

 

Compartilhe: