Após o pagamento da segunda parcela da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) do Itaú, parte dos funcionários ficou frustrada. Os bancários denunciaram ao Sindicato  a atitude desrespeitosa do banco de descontar na parcela da PLR o programa próprio (PR).

Apesar dos funcionários do Itaú terem feito grande esforço para bater as metas abusivas no primeiro semestre de 2012, aqueles elegíveis para receber a PR em 11 de outubro do ano passado, superior à antecipação da PLR, foram agora surpreendidos com o desconto na segunda parcela paga em 1º de março.

O não reconhecimento do trabalho dos bancários, que cumpriram as metas estabelecidas pelo banco e sofreram todo tipo de pressão dos superintendentes, até mesmo com ameaça de demissão, causou grande decepção. O fato de não terem medido esforços para alcançar os números exigidos pelo Itaú não foi o suficiente para sensibilizar o banco, que acabou pagando o mesmo valor que pagaria se os funcionários não tivessem cumprido as metas, isto é, a regra básica da Convenção Coletiva de Trabalho, chegando até os 2,2 salários.

Para a funcionária do Itaú e diretora do Sindicato, Jacqueline Cardozo, mais uma vez o banco desmereceu o trabalho de seus funcionários em relação ao pagamento de seu Programa de Participação nos Lucros e Resultados. “Como o Sindicato já havia denunciado, além de não contemplar todos os funcionários com os 2,2 salários, como foi o caso de quem ganha acima de R$ 4.320,69, o Itaú ainda descontou o excedente da PR sobre a regra básica da PLR, antecipada em outubro de 2012. Com isto, todo o esforço tornou-se praticamente nulo, já que o reconhecimento, que seria o excedente pago no Programa Próprio (PR), foi descontado”, afirmou.

A diretora reafirmou que os representantes dos funcionários continuarão lutando pelo pagamento justo e exigindo tratamento digno aos bancários do Itaú. “Apesar de o Programa Próprio não ser negociado com o Sindicato, vamos levar para a mesa de negociação com o banco, através da Comissão Organizada dos Empregados do Itaú (COE-Itaú), a proposta de garantir aos funcionários o excedente sobre a regra básica. Nos dias 2, 3 e 4 de abril de 2013, realizaremos o Encontro Nacional dos Dirigentes Sindicais do Itaú e vamos propor a inclusão desta proposta na pauta de reivindicações. Está na hora de o Itaú deixar de fazer de conta e reconhecer que todos seus funcionários, responsáveis pelo maior lucro da história dos bancos brasileiros, devem ser reconhecidos por seus méritos”, ressaltou.

Compartilhe: