O Projeto de Lei 2715/20, apresentado na Câmara dos Deputados, suspende os processos de desestatização realizados pela administração pública por 12 meses após o fim do estado de calamidade pública decorrente do coronavírus, que vai até dezembro de 2020. Na prática, apenas em 2022 esses processos poderão ser retomados.

Apresentado pelos deputados Enio Verri (PT-PR), Perpétua Almeida (PCdoB-AC), Fernanda Melchionna (Psol-RS) e Joenia Wapichana (Rede-RR), o texto está em análise na Câmara.

“A história nos ensina que períodos de crise são um excelente momento para quem compra e um péssimo para quem vende”, argumentam os autotes. “Após uma crise desta dimensão, os preços dos ativos caem, criando assim, um ambiente de ofertas hostis, ou melhor, uma grande liquidação de empresas de qualidade”, complementam.

Pelo texto, ficarão suspensos, por um ano, tanto os novos processos de desestatização e desinvestimentos como os processos em curso, inclusive a alienação de ações que repercutam em perda do controle acionário.

“Recentemente, a Petrobras reabriu o processo de venda de sua participação na Petrobras Gás S/A (Gaspetro), da qual detém 51. No âmbito do setor financeiro, o governo promove a venda de subsidiárias da CAIXA, especificamente a Caixa Seguridade, a Caixa Cartões e a Caixa Loterias. A continuidade desses processos seria uma atitude irresponsável que com certeza geraria relevantes prejuízos à União”, afirmaram os deputados.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Agência Câmara de Notícias

 

Compartilhe: