Nesta segunda-feira, 27, mesmo dia em que o saque do auxílio emergencial começou, a coordenação do Comando Nacional dos Bancários e a Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da CAIXA se reuniu com a direção do banco. A presidenta do Sindicato, Eliana Brasil, participou da reunião.

A videoconferência buscava exatamente medidas para evitar as enormes filas que se formaram nas portas de algumas agências nas últimas semanas, devido à falta de informação da população sobre o pagamento do auxílio, que colocam em risco tanto os empregados quanto a população.

Desde o início da pandemia, os empregados cobram do banco uma campanha de comunicação para orientar a população a não ir às agências e de como conseguir se cadastrar para receber o auxílio.

“A principal responsável pelas aglomerações nas unidades bancárias da CAIXA é a falta de informações por causa do auxílio emergencial. Estimativas apontam que 80% das filas são causadas pelos pagamentos da renda emergencial. Só que mais da metade delas não precisariam e nem deveriam estar ali”, explicou presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, que é uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

“Nós solicitamos à CAIXA que nos envie a campanha para que possamos encaminhar aos sindicatos e aos movimentos sociais de todas as regiões do Brasil para que eles possam ajudar da divulgação e na busca pela redução das filas nas agências”, completou Juvandia.

Rodízio de empregados

Os representantes dos trabalhadores cobraram também a manutenção do rodízio semanal, no qual os empregados ficam uma semana no trabalho remoto e uma semana no atendimento, e dos critérios para o teletrabalho.

Foi cobrado e a direção da CAIXA garantiu que a adesão voluntária não excluirá o rodízio e também que não será permitida qualquer pressão dos gestores para a adesão ao site queroatender.caixa, no qual as equipes podem se inscrever para voltar fisicamente ao trabalho, garantindo que a inscrição seja totalmente voluntária. Os representantes dos empregados reivindicaram que o sistema seja utilizado apenas nas agências que necessitam para manter o rodízio e só no período específico de necessidade.

O movimento sindical cobrou, ainda, a informação de quantos pagamentos do auxílio emergencial já foram feitos pelo banco. A direção da CAIXA ficou de apurar e ainda de confirmar informação ou não de que 1% de todo o pagamento via poupança digital, por amostragem, terá que passar pelo gerente para tirar cópia de documento e autorizar o pagamento. Esse montante representaria 150 mil pessoas.

A CAIXA disse que tem feito melhorias no aplicativo constantemente. E que transferiu vários desenvolvedores da sua área de Tecnologia da Informação para que fossem feitas melhorias no sistema. De acordo com o banco público, 13,6 milhões de contas digitais foram abertas e quase 6 milhões de pessoas já foram atendidas pelo aplicativo.

“Os empregados da CAIXA se orgulham muito de ser empregados e do papel fundamental da CAIXA como banco público. No entanto, exigem respeito ao seu trabalho. Por isso que somos tão incisivos nas cobranças que fazemos”, afirmou Dionísio Reis, coordenador da CEE/Caixa.

Outras cobranças

Os demais pontos que foram cobrados pelo Comando e pela CEE/Caixa estão, aos poucos, sendo implementados, como a contratação de segurança desarmado para organizar as filas e as proteções de acrílico nos caixas e equipamentos de proteção individual (EPIs) para todos os empregados.

Com a autorização da Polícia Federal para atuar na organização de filas do lado de fora das agências, 558 unidades estão com um vigilante e 371 unidades estão com dois vigilantes. Quanto aos EPIs, mais de 90% das unidades estão com as proteções básicas, quase 85% tiveram as proteções de acrílicos instaladas e 41,11% receberam as máscaras de acrílico.

Os representantes dos trabalhadores apresentaram, ainda, denúncias de empregados de que o banco tem pedido para irem a casas lotéricas para atender às filas. Porém, esses locais não têm segurança sanitária necessária na prevenção de contaminação, por falta de infraestrutura. A direção da CAIXA negou a orientação.

Saúde Caixa

Depois de mais uma cobrança do movimento sindical, em ofício enviado no dia 25 de março, a CAIXA marcou uma reunião para esta quarta-feira, 29, na qual trará uma proposta de “Saúde Caixa para Todos”, antiga reivindicação dos empregados, que ganhou força durante a crise do coronavírus.

Auxílio emergencial

Dionísio Reis, coordenador da CEE/ Caixa, lembra que, apesar do início do saque do auxílio emergencial, não adianta correr para ter o dinheiro em mãos. “O escalonamento do saque visa evitar aglomerações nas portas das agências e das casas lotéricas”, disse.

O saque será escalonado e os primeiros que terão o direito a sacar são os trabalhadores nascidos em janeiro e fevereiro. Na terça-feira, 28, poderão sacar os nascidos em março e abril, na quarta-feira, 29, quem nasceu em maio e junho e assim por diante. Veja calendário abaixo:

27 de abril – nascidos em janeiro e fevereiro

28 de abril – nascidos em março e abril

29 de abril – nascidos em maio e junho

30 de abril – nascidos julho e agosto

04 de maio – nascidos em setembro e outubro

05 de maio – nascidos em novembro e dezembro.

Este calendário de saques é para as pessoas que receberam por meio da conta digital aberta pelo banco.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: