Novas ações contra o Projeto de Lei do Senado, o PLS 555, que trata do Estatuto das Estatais, vêm sendo realizadas pelos representantes dos empregados da CAIXA e pelo movimento sindical. Na última sexta-feira, 23, o assunto foi debatido com o ministro do Trabalho e Previdência, Miguel Rossetto, durante visita que realizou à sede da CUT nacional, em São Paulo. O ministro se comprometeu a debater problemas do projeto, que pode abrir caminho para uma onda de privatizações.

Nesta quarta-feira, 28, ocorreu uma conversa entre representantes da Fenae e assessores do senador Tasso Jereissati (PSDB). No próximo dia 12 de novembro, será realizado novo ato, em Brasília, com painéis de exposição sobre o tema e a presença de parlamentares, conselheiros eleitos e dos movimentos social, sindical e associativo.

A representante suplente dos empregados no CA da CAIXA, Maria Rita Serrano, participou do encontro na CUT, assim como o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira. Segundo Rita, o ministro se comprometeu a discutir os problemas do projeto no governo e articular agenda com o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa. “A direção da CUT também vai organizar, com outras centrais sindicais, novos protestos contra o PLS, um projeto que abre caminho para uma nova onda de privatização das empresas públicas”, antecipou Rita.

O principal objetivo nesse momento é tirar o caráter de urgência na votação do projeto, para que exista espaço de discussão de suas consequências com a sociedade. Nos próximos dias outros senadores também serão procurados para tratar do tema.

Histórico

A luta contra o PLS 555 teve início há pouco mais de um mês e, nesse curto período, várias iniciativas foram realizadas, como ato público em Brasília e encontros com parlamentares e representantes do governo. Os trabalhadores discutiram a questão comos senadores Paulo Paim (com quem foi realizada audiência pública) e Delcídio do Amaral, ambos do PT, além do diretor do Departamento de Controle e Governança das Empresas Estatais (Dest), Murilo Barella.

O projeto, criado por comissão mista presidida pelo senador Jereissati, incorpora propostas que já se encontravam em tramitação no Senado, como o substitutivo ao PLS 167/2015, do próprio Jereissati, o PLS 343/2015, de Aécio Neves (PSDB) e o anteprojeto apresentado pelos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Seeb-ABC

Compartilhe: