Em ofício enviado para a CAIXA nesta segunda-feira, 22, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT) e a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) reivindicaram a criação de um comitê paritário para acompanhar e sugerir melhorias no Processo de Seleção Interna por Competência (PSIC), para formação de banco de habilitados. O principal motivo são as inúmeras denúncias sobre problemas na aplicação das provas da sistemática que está em andamento desde abril deste ano.

Entre as principais falhas, destacam-se questões erradas e mal redigidas, dificuldades na visualização dos testes, conteúdo diferente do solicitado nos editais, falta de transparência e não permissão de recursos e de acesso aos resultados individuais. Também há a informação de que alguns candidatos teriam consultado os materiais de estudo e até recebido ajuda de superiores para responder às questões.

Anexada ao ofício, foi enviada à CAIXA uma relação com comentários feitos em uma postagem sobre o assunto na página da Fenae no Facebook. Alguns deles: “Não conheço empregado capaz de fazer a média sem ajuda de Deus”; “Processo cheio de falhas, fraude generalizada; “Foi um nojo. Até agora tento entender algumas questões e não chego a lugar nenhum”; “Não prever recurso é um absurdo. Ainda mais com uma prova mal elaborada”; “O concurso estava mais fácil que essa prova”. “Mais uma forma de promover quem eles querem”.

Para os representantes dos trabalhadores, é fundamental que o PSIC seja conduzido com transparência e equidade. Com as reclamações dos empregados, as entidades representativas ressaltam que a criação do comitê paritário com a participação de representantes da categoria e do banco, que já era uma necessidade, tornou-se uma demanda urgente.

Clique aqui para ver o ofício na íntegra.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Fenae

Compartilhe: