Em negociação realizada nesta terça-feira, 14 de outubro, a Comissão de Organização dos Funcionários do Mercantil do Brasil, a Fetraf-MG, o Sindicato dos Bancários de BH e Região e outras entidades representativas dos funcionários cobraram do Mercantil o pagamento de Participação nos Resultados (PR) no valor de R$ 3 mil, sendo um adiantamento de R$ 2 mil no mês de outubro e R$ 1 mil em fevereiro de 2015. Na mesa, os representantes dos funcionários exigiram com veemência que o banco reconheça o esforço de bancárias e bancários para a diminuição das despesas e no cumprimento fiel de todas as metas estabelecidas.

“Reforçamos que o resultado negativo do primeiro semestre é consequência, em grande parte, do aumento desproporcional do provisionamento de devedores duvidosos (PDD) realizado pelo Mercantil e que, portanto, os trabalhadores não podem ser responsabilizados”, afirmou o funcionário do banco e diretor do Sindicato, Marco Aurélio Alves.

O Mercantil do Brasil, de forma intransigente, negou a reivindicação alegando falta de condições financeiras. Além do resultado operacional negativo de R$ 93 milhões no primeiro semestre de 2014, o banco alegou que terá despesa extra de R$ 5 milhões mensais na folha salarial.

Os representantes dos bancários insistiram que o Mercantil do Brasil tem obrigação de valorizar o esforço de bancárias e bancários e atender a seus anseios por melhores condições de trabalho. “Deixamos claro que estamos mobilizados e continuaremos lutando por respeito e reconhecimento por parte do banco. Os trabalhadores fizeram sua parte e, agora, esperam a contrapartida do Mercantil, que é o pagamento da participação nos resultados”, cobrou o funcionário do banco e diretor do Sindicato, Vanderci Antônio.

Uma nova rodada de negociação sobre o tema foi agendada para o dia 4 de novembro. Até lá, os sindicatos continuarão mobilizados para a realização de um Dia Nacional de Luta por valorização e melhores condições de vida e emprego para os funcionários do Mercantil do Brasil.

Compartilhe: