Estão finalizados os debates sobre os critérios objetivos e subjetivos para a promoção por merecimento dos empregados da CAIXA. Em reunião realizada nesta terça-feira, 31, a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) aceitou a proposta apresentada pela direção do banco que garante um Delta (2,39% de reajuste) no Plano de Cargos e Salários (PCS) ao trabalhador que atingir 40 pontos na soma dos dois parâmetros.

O modelo aprovado contempla o que foi discutido nas quatro reuniões da Comissão Paritária e garante que grande parte dos empregados consiga pontuação necessária para ter um Delta. Os representantes dos empregados cobraram que a CAIXA faça as alterações em seus normativos para que o acordo passe a vigorar o quanto antes.

Critérios objetivos

Nos critérios objetivos serão contabilizados 20 pontos pela conclusão de 30 horas anuais de módulos da Universidade Caixa, cinco a quem fizer o exame médico periódico e outros 15 pontos para a frequência medida pelo Sipon.

O acordo aditivo à Convenção Coletiva garante aos empregados o direito a seis horas por mês, dentro da jornada, para fazer os cursos da Univesidade.

Também haverá uma bonificação extra (que pode chegar a dez pontos) para frequência de cursos por iniciativa própria.

Critérios subjetivos

O parâmetro subjetivo corresponderá a 20 pontos. Nesse caso, os empregados da unidade indicarão de duas a oito pessoas que preencham os requisitos: iniciativa, contribuição para a solução de problemas no ambiente de trabalho, colaboração com a equipe e bom relacionamento com os colegas do setor.

Embora com 40 pontos o empregado já tenha direito à promoção, os critérios subjetivos auxiliam na contabilização para que o trabalhador concorra a um segundo Delta.

Mais contratações

Sobre a ampliação do número de trabalhadores por unidade, a CEE reforçou que cerca de 2 mil pessoas se inscreveram para deixar a instituição por meio do PAA (Plano de Apoio à Aposentadoria) e que essa evasão deve comprometer ainda mais as condições de trabalho.

Em resposta, os negociadores da CAIXA apresentaram dados, nos quais constam que de 1º de janeiro a 28 de fevereiro deste ano ocorreram 146 desligamentos e 417 contratações.

Os representantes dos empregados rebateram a argumentação, apontando que há unidades com bancários extrapolando a jornada constantemente e que a tendência é de piora caso não sejam tomadas medidas urgentes. Os trabalhadores afirmaram que o movimento dos empregados tem informações de que não houve contratações em março e que o mesmo ocorrerá em abril, o que representa um erro num momento em que empregados saem pelo PAA ou para outras empresas.

Foi reivindicado que, nas próximas reuniões, a CAIXA apresente um cronograma de contratações e que acabe com a dotação orçamentária imposta às agências.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Seeb-SP

Compartilhe: