Foto: Contraf-CUT

 

Representantes dos funcionários do Santander se reuniram com o banco no Comitê de Relações Trabalhistas (CRT), no dia 25 de abril, em São Paulo, para debater uma pauta de questões que afetam o dia a dia de trabalho e estão pendentes de negociação com o banco. O Sindicato participou da mesa, representado pelo funcionário do Santander e diretor Wagner dos Santos.

O CRT é uma conquista dos bancários do Santander prevista na cláusula 35 do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico com o banco, aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). Ele se reúne a cada dois meses para tratar das questões de relações trabalhistas.

“Após nos reunirmos com o banco em Belo Horizonte, participamos também da negociação nacional para tratar de demandas importantes dos trabalhadores. Cobramos avanços em diversos pontos e que o Santander trate com responsabilidade as relações trabalhistas”, afirmou Wagner dos Santos, diretor do Sindicato.

CPA-10

Os trabalhadores reivindicaram a extensão do prazo para obter a certificação, considerando que o normativo do Banco Central 3.158/2003, estabelece o prazo de até um ano, a partir da contratação ou a partir da ascensão a novo cargo. Ressaltou ainda a falta de sensibilidade do banco para com as solicitações dos trabalhadores. Em resposta, o banco prorrogou por mais 30 dias o prazo para a realização das provas.

O Sindicato iniciou, no último final de semana, a realização de um curso de CPA-10 e 20 para os funcionários em parceria com a Fenae. O curso foi oferecido aos funcionários que ainda não tinham CPA-10.

Unificação de cargos

O banco avalia que o atual modelo de atendimento segmentado está ultrapassado e que, com o novo modelo, embora haja mais gerentes de negócios e serviços, não haverá aumento de metas para o chamado “carteirão”, a carteira de clientes.

O banco se comprometeu em garantir que o trabalhador tenha seu tempo de treinamento com dedicação exclusiva dentro da jornada de trabalho. Estuda, ainda, a inclusão de período presencial e a extensão do horário de treinamento.

A configuração dos cargos dependerá de cada caso nas agências. Nem todos os caixas deverão ser migrados para os novos cargos de gerentes de negócios e serviços. Cerca de 2.000 caixas permanecerão nessa mesma função.

Bandeira dos vales refeição e alimentação

Sobre a mudança da bandeira dos vales refeição e alimentação, o banco informou que a quantidade de estabelecimentos cadastrados já é maior que a rede da Alelo – utilizada até então – e que não é possível fazer a migração de saldo entre o cartão velho e o novo nem estender o prazo de implantação.

Os representantes dos funcionários destacaram que, embora o banco tenha afirmado que a rede é maior que a Alelo, na maioria dos lugares onde os bancários conseguem usar o Alelo, ainda não conseguirão usar o Ben Visa Vale a partir desta terça-feira, 30.

Abertura aos finais de semana

Os representantes da categoria reivindicaram que o projeto de abertura de agências nos finais de semana para educação financeira seja apresentado na íntegra.

O banco sustenta que será um trabalho voluntário dos funcionários em 29 agências do país e que não haverá trabalho comercial nas agências, que atuarão apenas para a educação financeira.

Reembolso de KM rodado

O banco afirmou que já está em estudo a majoração do valor do quilômetro rodado e seu novo valor será anunciado nos próximos dias.

Outras reivindicações, como retorno ao trabalho e plano de saúde, serão discutidas na próxima reunião.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: