Em reunião realizada na sexta-feira, dia 17 de fevereiro, na sede do Sindicato, representantes dos funcionários do Itaú e do banco debateram diversas questões referentes aos trabalhadores, como as demissões, plano de saúde, horário estendido dentre outras.

Representando os trabalhadores, estiveram presentes os funcionários do Itaú e diretores do Sindicato Antônio Guimarães (Magaiver), Jacqueline Cardozo, Kennedy Santos, Liliane de Oliveira, Luciana Duarte, Marilene Gualberto, Paulo Faria, Ramon Peres, Tárcio Chamon e Valdênia Ferreira.

Confira, abaixo, as demandas dos funcionários apresentadas pelo Sindicato ao banco:

Demissões

O Sindicato cobrou o fim do processo de demissões que está em curso no Itaú e que afeta todo o país, inclusive a base de Belo Horizonte e região. Durante a negociação, os representantes dos bancários informaram ao banco que, diante da dificuldade em negociar sobre este tema, o Sindicato encaminhou pedido de mediação ao Ministério Público do Trabalho. A primeira reunião já foi realizada no dia 20 de fevereiro. Clique aqui para mais informações.

O Sindicato exigiu, ainda, que o banco coloque fim ao fechamento de agências sem a realocação de bancários, já que, em muitos casos, funcionários estão sendo sumariamente demitidos.

Plano de saúde

O Sindicato, mais uma vez, cobrou uma solução para o plano de saúde dos aposentados, que vêm sofrendo para conseguir arcar com os custos altos. Os trabalhadores alertaram ainda que o Itaú está descumprindo decisão judicial já transitada em julgado ao não permitir que dependentes acima de 25 anos se tornem agregados ao plano de saúde, tendo que sair do mesmo.

Horário estendido

Os representantes dos funcionários cobraram, também, que o Itaú padronize os horários de todas as agências, criando turnos de trabalho e acabando com a dupla jornada de funcionários.

Demissões irregulares

Os trabalhadores exigiram o fim das demissões de funcionários doentes ou em tratamento. Em caso de demissão de trabalhadores doentes, o Sindicato solicitou o imediato cancelamento para tratamento e decisão de perícia do INSS. Também foi cobrado o cancelamento das demissões de trabalhadores prestes a adquirir a estabilidade pré-aposentadoria.

Exame demissional

Os bancários cobraram que seja feito exame demissional independente dos exames periódicos ou de retorno ao trabalho em todos os trabalhadores demitidos. Desta forma, se evitaria que o trabalhador que entrou sadio no banco saia doente.

Discriminação

O Sindicato denunciou que funcionários que são reintegrados ou reabilitados estão sofrendo discriminação. Em alguns casos, bancários são direcionados inclusive para cobrir férias de outros funcionários e acabam perdendo também suas carteiras de clientes.

Setor de Relações Sindicais

Os representantes dos bancários voltaram a cobrar a manutenção do setor de Relações Sindicais do banco em Belo Horizonte, além da contratação de mais um funcionário para o local. O Sindicato ressaltou que este setor atende bancários das regiões Sudeste e Nordeste e que ele é imprescindível para a solução dos problemas destes trabalhadores.

Saúde

Os diretores do Sindicato cobraram, ainda, a resolução das questões ligadas à saúde e aos afastamentos, como casos de débito de antecipação de salário antes do pagamento pelo INSS, a não emissão de CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho), dentre outros.

Respostas do banco

Durante a negociação, o Itaú se comprometeu a realizar reunião, em Belo Horizonte, para discutir temas ligados à saúde com a participação da médica do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) do banco.

Em relação às outras questões, os representantes do Itaú afirmaram que elas serão encaminhadas à direção do banco e que darão respostas posteriormente.

Todas estas propostas e demandas dos trabalhadores foram encaminhadas pelo Sindicato também ao Ministério Público do Trabalho para mediação do órgão.

Compartilhe: