No dia 13 de junho, representantes dos funcionários do Mercantil se reuniram com o banco em sua sede, no Centro de Belo Horizonte, para a realização de mais uma rodada de negociações específicas. Entre os temas que foram tratados estavam melhorias no PPR e a mudança da seguradora do banco.

A mesa contou com a presença dos diretores do Sindicato dos Bancários de BH e Região, Marco Aurélio Alves e Vanderci Antônio da Silva, e também de Marlene Miranda, representando a Federação dos Bancários do Rio de Janeiro, e Dálber Faria, que representou o Sindicato dos Bancários de Divinópolis. Representando o Mercantil, estiveram presentes o superintendente de RH, Márcio Ferreira, a coordenadora de RH, Rosana Maia, e o gerente de Desenvolvimento de Negócios, Uélques Almeida.

Remuneração

Durante a negociação, os representantes dos bancários cobraram do Mercantil melhorias no Programa Próprio de Remuneração (PPR) de 2014. Entre as reivindicações, estavam a manutenção da garantia de recebimento dos valores correspondentes ao cumprimento das metas de redução de despesas e BSC, a redução da meta de lucro – que se encontra no patamar de R$ 30 milhões -, maior transparência na divulgação de resultados e o fim das desigualdades no recebimento de valores entre os cargos no banco, já que todos os trabalhadores se esforçam para o alcance das metas.

Os representantes dos funcionários também exigiram a ampliação de participação de todos os bancários na concepção e nas inovações no PPR, assim como a promoção de funcionários de agências responsáveis pelo atendimento aos beneficiários do INSS.

O Mercantil do Brasil rebateu as críticas e exaltou a importância da manutenção do PPR, alegando que o banco vive um momento adverso, com a divulgação do prejuízo de R$ 39 milhões referente ao primeiro trimestre de 2014. Para os representantes do Mercantil, a reedição do Programa seria uma chance para reverter a atual situação negativa.

Os dirigentes sindicais lembraram que funcionários se esforçam ao máximo no cumprimento das metas e que o resultado negativo do Mercantil foge à alçada da intervenção dos trabalhadores. Por isso, bancárias e bancários não podem ser prejudicados em sua remuneração e com valores inferiores no PPR.

Diante do impasse, foi agendada nova rodada de negociação sobre o tema para as 14h do dia 24 de junho, também na sede do Mercantil, na rua Rio de Janeiro, 654, no Centro de Belo Horizonte.

Para Marco Aurélio, funcionário do Mercantil e diretor do Sindicato, é hora de pressionar o banco e exigir a valorização de todos os trabalhadores. “Temos direito a um PPR justo, pois nós, funcionários, somos os responsáveis pelos altos lucros anteriores. Não podemos aceitar ser penalizados pelo prejuízo causado pela inadimplência divulgada pelo banco”, afirmou.

Já o também funcionário do banco e diretor do Sindicato, Vanderci Antônio, destacou que deve ser realizada uma plenária no Sindicato para esclarecer bancárias e bancários do Mercantil sobre o atual acordo, que é nocivo aos trabalhadores. “O banco tem que alterar o acordo para garantir que os funcionários recebam valores relativos ao cumprimento das metas de redução de despesas e BSC”, cobrou.

Mudança de seguradora

Representantes dos funcionários cobraram esclarecimentos sobre a mudança da seguradora do banco para a Mongeral. O Mercantil disponibilizou informativo via intranet com orientações para que funcionárias e funcionários realizassem a migração dos planos.

Próxima reunião

A próxima reunião, agendada para o dia 24 de junho de 2014, às 14h, na sede do banco em Belo Horizonte, dará continuidade às negociações. No mesmo dia, às 10h, será realizada reunião preparatória na sede do Sindicato, na Rua dos Tamoios, 611, também no centro da capital mineira.

Compartilhe: