Foto: Contraf-CUT

A terceira mesa bipartite de Igualdade de Oportunidades de 2017, realizada nesta segunda-feira, 17, na sede da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), em São Paulo, terminou sem avanços para a categoria.

A Fenaban negou a proposta de criação de Grupo de Trabalho específico para discutir as questões relacionadas à diversidade sexual e identidade de gênero, entregue pela Contraf-CUT na última reunião da Comissão, realizada no dia 15 de maio. Os bancos acreditam ser desnecessário a instituição de mais um grupo, já que o tema faz parte da mesa bipartite.

Após nova cobrança dos representantes dos trabalhadores, os bancos disseram que vão analisar a possibilidade de uma campanha conjunta em combate ao preconceito sexual nos locais de trabalho. Eles ficaram de apresentar, no próximo encontro, as ações que já vêm sendo feitas pelos bancos. A partir daí, serão pensadas as novas ações conjuntas.

O movimento sindical apresentou proposta de um programa de contratação de pessoas com deficiência (PCDs). Os trabalhadores reivindicaram também melhores condições de trabalho e o respeito ao mínimo de PCDs exigido por lei, para que essas pessoas possam entrar no mercado de trabalho.

A Fenaban trará o retorno das reivindicações na próxima reunião da mesa Bipartite de Igualdade de Oportunidades, agendada para 19 de setembro. Os bancários destacaram que querem ações afirmativas que de fato mudem as dificuldades diárias enfrentadas tanto pelas pessoas LGBT como PCDs.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: