O balanço do 1º semestre de 2013 do Santander Brasil apontou um lucro de R$ 2,929 bilhões, cerca de 25% dos rendimentos em todo o mundo. Mesmo assim, análise do Dieese apontou que o banco continua seu processo de demissões e cortou 2.290 nos primeiros seis meses do ano, o que comprova as denúncias já realizadas pelo Sindicato.

Apenas no segundo trimestre, o banco extinguiu 1.782 vagas. Com isso, o quadro que em junho de 2012 era de 54.918 funcionários caiu em junho de 2013 para 51.702, uma redução de 3.216 empregos. Além disso, a rede de atendimento encolheu com o fechamento de 12 agências, 19 PABs e 238 caixas eletrônicos.

Essa realidade levou o Sindicato a se mobilizar, no dia 11 de abril, Dia Nacional de Luta, contra a falta de funcionários na rede de agências. O banco, no entanto, seguiu demitindo e ainda entrou com ações judiciais contra várias entidades sindicais para tentar calar a voz e as denúncias dos trabalhadores.

Nos meses de junho e julho, o Sindicato paralisou cerca de 20 agências do banco em Belo Horizonte para exigir respeito aos trabalhadores e condições dignas de trabalho. Os bancários exigiram o fim das metas abusivas e do assédio moral, o fim da rotatividade e mecanismos de proteção às demissões imotivadas.

Com a falta de funcionários e a sobrecarga de trabalho, o atendimento aos clientes realizado pelo banco também é prejudicado. O Santander liderou em junho, pela quinta vez consecutiva, o ranking de reclamações ao Banco Central.

Para o funcionário do Santander e diretor do Sindicato, Davidson Siqueira, a mobilização é essencial para combater os abusos do banco. “Com paralisações e denúncias, o Sindicato conseguiu pressionar o banco a formalizar, em comunicado interno, que os caixas não podem ter metas individuais de venda de produtos. Além disso, na última reunião com Comitê de Relações Trabalhistas (CRT), o Santander se comprometeu a divulgar orientação também contra as metas para estagiários e aprendizes. Continuaremos nos mobilizando e exigindo respeito aos bancários, que são os grandes responsáveis pelos grandes lucros obtidos pelo banco”, afirmou.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: