Em 2017, 251 empresas de capital aberto distribuíram aos seus acionistas R$ 79,63 bilhões, maior valor desde 2010 e 13,31% maior que em 2016. Os bancos foram o setor com maior volume financeiro distribuído, com R$ 28,3 bilhões no ano passado, valor que corresponde a 35,63% do total. O levantamento foi divulgado pela Economática, maior empresa de informações financeiras da América Latina.

Segundo dados compilados pela Bloomberg, pelo segundo ano consecutivo, em 2017, o Itaú foi o maior pagador de dividendos e juros sobre capital próprio entre as empresas de capital aberto do país.

Todos sabem que os bancos conseguem lucros exorbitantes mesmo em períodos de crise no Brasil. Porém, enquanto distribuem bilhões a acionistas, deixam de lado sua responsabilidade social e demitem cada vez mais, aumentando a pressão sobre os trabalhadores e prejudicando a qualidade do atendimento à população.

Graças à lei 9.249/1995, sancionada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em 1995, a distribuição de lucros e dividendos aos acionistas é totalmente livre de qualquer imposto. Entre os países membros e parceiros da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), somente o Brasil e a Estônia não tributam estes valores.

O levantamento da Economática foi elaborado considerando empresas que têm dados disponíveis de 2010 até 2017. Portanto, empresas que deixaram de publicar seus dados ou que entraram no mercado após 2010 ficaram de fora da amostra. Para o levantamento, foram consideradas as informações contábeis entregues pelas empresas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Seeb-SP

 

Compartilhe: