Em reunião realizada no dia 10 de maio, em São Paulo, a COE (Comissão de Organização de Empresa) do Bradesco, discutiu vários temas de interesse dos funcionários, dentre eles a necessidade de agendar uma reunião com o banco para discutir o plano de saúde e o plano dental e a possível transferência de parte da Plataforma Operacional Corporate. O Sindicato foi representado na reunião pelo diretor Wellington C. Marinho.
 
A questão da transferência da Plataforma Operacional Corporate tem preocupado os funcionários. Principalmente depois que a gerente de Relações Sindicais do Bradesco, Eduara Cavalheiro, confirmou para os diretores do Sindicato dos Bancários de Campinas a intenção do Banco em transferir parte da Plataforma Operacional Corporate daquela cidade para a Matriz, na Cidade de Deus, em Osasco. A gerente informou ainda que não tem data definida para a mudança, mas deve ocorrer até o final deste ano. Segundo ela, a medida vai atingir mais onze plataformas espalhadas pelo país. Indagada sobre o fechamento de postos de trabalho, a gerente garantiu que não haverá demissão e os funcionários que não forem transferidos, serão realocados.

 

Para o funcionário do Bradesco e diretor do Sindicato Carlos Augusto Vasconcelos(Mosca), essa informação da gerente é preocupante e contraria o que inicialmente ela havia dito ao Sindicato. “Quando conversou com o Sindicato, ela afirmou que o banco estava fazendo um estudo das 11 plataformas corporate no país, incluindo BH, e que posteriormente a este estudo o Bradesco passaria mais informações ao Sindicato, principalmente quais os serviços seriam transferidos para São Paulo e para onde seriam alocados os funcionários”, lembra.

 

Na ocasião, o Sindicato exigiu do Bradesco a manutenção do emprego de todos os funcionários da plataforma corporate de BH e neste sentido, está solicitando uma reunião em caráter emergencial com o banco, em BH para que estas dúvidas sejam sanadas. “Queremos saber se o estudo a que o banco se refere realmente já terminou ou se nem mesmo há algum estudo. Enfim, os bancários precisam saber o que de fato está acontecendo. Daí a importância dos funcionários da plataforma corporate em BH e do restante do país se organizarem para, em conjunto com os sindicatos, lutarem pelos seus direitos. É bom lembrar que quando as atividades do Bank-Office foram transferidas para São Paulo foi a ação do Sindicato que garantiu o emprego dos bancários”, ressalta Carlos.

Compartilhe: