Diante denúncias feitas por funcionários do Mercantil do Brasil, o Sindicato cobrou da direção e do RH do banco apuração imediata dos casos de assédio moral e a disponibilização de e-mail institucional do banco para o encaminhamento e resolução dos conflitos no prazo máximo de 45 dias, conforme estipulado na cláusula 61 da CCT, sob pena de multa por descumprimento de Convenção Coletiva caso o Mercantil não resolva os casos denunciados.

Segundo relatos dos bancários, o banco tem explorado trabalhadores e clientes com a cobrança de metas absurdas de produtos, em muitos casos de vendas casadas, o que contraria as regras do direito do consumidor.

Mesmo com a atuação firme do Sindicato em defesa dos trabalhadores e pelo fim do assédio moral, funcionários do Mercantil do Brasil estão utilizando anonimamente a internet para denunciar práticas abusivas no banco.

Em sites como o “Madruga News” e o aplicativo “VivaVídeos”, estão sendo criados e compartilhados vídeos e paródias sobre a truculência da área de INSS. Em uma das animações, um diretor do banco é comparado ao supervilão Thanos, da franquia dos Vingadores, do universo Marvel. As figurinhas do WhatsApp também estão sendo utilizadas para comparar o diretor e alguns superintendentes ao apresentador de televisão Roberto Justus, com seu slogan “Está demitido!”.

“As denúncias também devem ser encaminhadas para nosso canal, fale conosco para que possamos tomar as providências cabíveis e necessárias para extinguir a prática de assédio moral no Mercantil do Brasil”, destaca Marco Aurélio Alves, funcionário do Mercantil do Brasil e coordenador nacional da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do banco.

Vanderci Antônio da Silva, funcionário do Mercantil do Brasil e diretor do Sindicato, esclarece que a entidade “oferece atendimento jurídico gratuito aos trabalhadores sindicalizados, mostrando a importância da filiação para garantia dos direitos em caso de abuso autoritário do Mercantil do Brasil”.

Para denunciar, utilize o Fale Conosco ou a ferramenta específica de denúncias de assédio moral.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

 

Compartilhe: