Em reunião realizada nesta sexta-feira, dia 4 de dezembro, entre a Comissão de Organização dos Empregados do Mercantil do Brasil (COE) BMB, sindicatos e federações e a direção do Mercantil do Brasil os representantes dos trabalhadores cobraram um posicionamento do banco sobre as recentes demissões de trabalhadores durante a pandemia.  Reivindicaram também esclarecimentos sobre denúncias de assédio moral praticado contra os funcionários e  exigiram providências em relação à pressão por metas abusivas para venda casada de produtos.

O Mercantil afirmou que não haverá mais demissões e nem extinção de postos de trabalho durante o processo de transformação de agências em PA’s, e que, se houver eventuais desligamentos, esses serão pontuais e relacionados à substituição de funcionários. Quanto ao assédio moral, o banco afirmou que a gestora da área comercial foi avisada sobre a necessidade de realinhamento de seu comportamento e que a empresa repudia qualquer caso nesse sentido.

Em relação à cobrança de metas e pressão por venda casadas de produtos, o banco disse que firmou  um Termo de Ajuste de Conduta(TAC) junto ao MPT e Procon de Belo Horizonte, após denúncias de seus próprios clientes insatisfeitos.

No dia 10 de dezembro, será realizado o Dia Nacional de Lutas contra as demissões, o assédio moral, as longas filas e contra as metas abusivas praticadas pelo banco.  Sindicatos de todo o país estarão mobilizados nas agências e nas outras  unidades de trabalho , além das redes sociais,   exigindo o fim das demissões e mais respeito aos clientes e funcionários.

Para Marco Aurélio Alves, coordenador nacional da COE do Mercantil do Brasil, o anúncio do banco em relação ao fim das demissões no processo de reestruturação, não ameniza o sofrimento dos milhares de trabalhadores, pais e mães de família que foram demitidos. “A luta dos sindicatos e da sociedade brasileira é pela manutenção dos empregos, renda e pela dignidade dos trabalhadores”, afirmou

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

Compartilhe: