DSC02558

Em reunião realizada nesta quinta-feira, 19 de janeiro, com o Santander o Sindicato solicitou respostas para vários problemas recorrentes no banco.

Participaram da reunião pelo Sindicato, a presidenta da entidade Eliana Brasil Campos, os diretores Davidson Siqueira, Wagner Santos, Fernando Lemos, Carolina Gramiscelli, Marco Aurélio Alves e Carlindo Abelha pela Contraf-CUT. Pelo Banco, compareceram a Superintendente de RH-Relações Sindicais, Fabiana Ribeiro; a Superintendente de Atendimento Rede Minas, Eliandra Zanine; Vanessa Monte, Gerente de RH São Paulo e a Gerente de RH de BH, Fenanda Ussoni.

Dentre várias reivindicações pautadas, foram discutidos temas como demissões de funcionários próximos à pré-estabilidade ou até mesmo já nessa condição. O Sindicato cobrou mais cautela nas demissões para evitar constrangimentos para os funcionários e processos judiciais desnecessários. Os representantes dos bancários denunciaram também que muitos funcionários estão sendo induzidos a registrar o ponto de saída e continuar trabalhando. Para o Sindicato, a situação fica ainda mais grave devido à sobrecarga de trabalho nas agências durante dias de pico com grande número de clientes e excesso de rotinas internas.

Em relação às cobranças de metas, o Sindicato destacou que o banco exige que o funcionário cumpra metas que variam de 150% a 200% para vários produtos, o que vem causando grandes insatisfação entre os trabalhadores que se sentem pressionado ao extremo.

Já quanto ao assédio moral, os representantes dos funcionários ressaltaram que gestores estão cobrando de seus funcionários de maneira inadequada. Ressaltaram que vários trabalhadores afirmaram que estão se sentindo desrespeitados e muitas vezes sem coragem para fazer reclamações formais temendo retaliação ou até mesmo demissão.

Sobre o comitê do Bacen, o Sindicato destacou que os funcionários estão sendo penalizados muitas vezes por algo que não é real e que esta maneira de lidar com as reclamações é constrangedora com ameaças de demissões.

A segurança nas agências foi outro assunto debatido na reunião. O Sindicato entregou um ofício solicitando intervenção urgente do banco nas agências da rua da Bahia em Belo Horizonte e na agência 2092, em Betim. Além de funcionarem sem porta giratória, essas agências atualmente não possuem segurança armada deixando os funcionários, clientes e usuários vulneráveis e inseguros no horário de atendimento.

Por fim, o Sindicato cobrou do banco resposta sobre o plano de saúde dos aposentados que sofreu aumento indevido pelo Santander. Apesar de uma ação do Sindicato vitoriosa na justiça, até hoje o banco não se pronunciou a respeito.

Para o diretor do Sindicato e funcionário do Santander, Wagner Santos, durante a reunião os representantes dos funcionários puderam demonstrar as posições equivocadas do Santander em relação aos seus funcionários que são os principais responsáveis pelo crescimento do patrimônio do banco. “O Sindicato vai continuar denunciando e pressionando para que o Santander trate com dignidade os seus funcionários. Não aceitaremos nenhuma situação constrangedora e desrespeitos contra os bancários”, afirmou.

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

Compartilhe: