Após o Bradesco retirar balcões, terminais e cadeiras das áreas de autoatendimento, o Sindicato cobrou esclarecimentos e a manutenção do emprego dos funcionários afetados. Em resposta à entidade, na última quinta-feira, 1º de agosto, o banco informou que as mudanças se deram após autuação do Ministério Público (MP) juntamente com o Procon.

A autuação se deu após clientes e usuários denunciarem o Bradesco, principalmente na região Nordeste, em relação à segurança dos dispositivos (totens) utilizados nos ambientes de autoatendimento. Na avaliação dos órgãos públicos, o sistema era muito frágil, podendo ser alvo de acessos indevidos de terceiros às contas dos clientes.

Após inspetoria interna, o Bradesco constatou prejuízos financeiros e acatou a recomendação do MP e do Procon, retirando os equipamentos até que haja adequação. Segundo o banco, um novo projeto já se encontra em estudo para que os equipamentos sejam reinstalados.

Nesse meio tempo, por meio da pressão do Sindicato, foi conquistada a permanência das cadeiras no ambiente dos caixas automáticos, para que os funcionários tenham mínimas condições de desempenhar suas funções.

Paralelamente, o Sindicato assegurou, junto às diretorias, que não haverá desligamento dos funcionários que atuam no ambiente dos caixas automáticos. O Sindicato deixou claro que não aceitará qualquer tipo de retaliação, pois constata-se, na realidade, que as agências já estão operando com quadro reduzido.

O Sindicato alerta, também, que qualquer anomalia percebida nas unidades deve ser comunicada à entidade, seja por telefone, e-mail ou diretamente com os diretores.

 

Compartilhe: