Reunião com a Diretoria Minas 2

 

O Sindicato se reuniu com diretores regionais do Bradesco, nesta terça-feira, 23, em Belo Horizonte, para discutir demandas de bancárias e bancários. Foram realizadas duas reuniões: uma pela manhã, com a Diretoria Minas 1, e outra à tarde, com a Diretoria Minas 2. Em pauta, estiveram questões como metas abusivas, demissões, fechamento de agências, identidade visual, entre outros temas de interesse da categoria.

Representando os trabalhadores, participaram os diretores do Sindicato Giovanni Alexandrino e Geraldo Rodrigues, na reunião com a Diretoria Minas 1, e os diretores Carlos Augusto Vasconcelos (Mosca), Maristela Miranda, Giovanni Alexandrino e Geraldo Rodrigues na reunião com a Diretoria Minas 2.

Já o banco foi representado pelo diretor Regional José Roberto Guzela (Diretoria Minas 1), com seu assessor Arony Thomáz Pires, e pelo diretor Regional Amadeu Suter Neto (Diretoria Minas 2) com sua assessora Denise Rocha.

 

Reunião com a Diretoria Minas 1

Identidade visual

O Sindicato cobrou que o Bradesco normatize a instrução de que os bancários não poderão ser cobrados ou discriminados em decorrência de sua identidade visual, em relação ao uso de barba.

Os representantes do banco informaram que aguardam instruções da área de Recursos Humanos em nível nacional. Afirmaram também que, enquanto isso não ocorre, passarão instruções para os gerentes regionais e estes para as agências para que não haja discriminação.

Fechamento de agências

Os representantes dos bancários cobraram posicionamento do banco sobre a possibilidade de fechamento de agências. Diante da liberação da terceirização em todas as atividades nas empresas, feita pelo governo Temer e pelo STF, os trabalhadores também demonstraram sua preocupação em relação ao emprego.

Ambos os diretores do banco afirmaram que, realmente, algumas unidades estavam no Programa de Recuperação de Agências (PRA). Porém, informaram que os prejuízos das mesmas foram revertidos em lucro, graças à dedicação dos bancários. De acordo com os diretores regionais, não há nenhum estudo em vista para fechamento de agências na base do Sindicato dos Bancários de BH e Região.

Contratações e demissões

O Sindicato cobrou do Bradesco mais contratações, já que as agências estão funcionando no limite, com muitas horas extras e funcionários exercendo outras funções. Os representantes dos bancários cobraram também que, nos casos de desligamentos a pedido dos bancários, as reposições sejam feitas de imediato.

Outra reivindicação reforçada foi a garantia do emprego de todos os bancários. Os diretores do Sindicato destacaram que há concentração de demissões no quadro de funcionários do HSBC, principalmente na regional Minas 1, e que a situação é inaceitável.

De acordo com o diretor da regional Minas 1, José Roberto Guzela, os desligamentos foram casos isolados.

Já o diretor da regional Minas 2, Amadeu Suter Neto, afirmou que a diretoria está tentando abrir novas agências, mas tem esbarrado em barreiras burocráticas. Segundo o diretor, caso não seja possível abrir as unidades, serão abertos postos avançados de atendimento (PAAs).

Amadeu informou, ainda, que as agências localizadas em shoppings serão transformadas em PAAs. Em relação a esta questão, o Sindicato cobrou que não haja demissões e o diretor do banco informou que não haverá desligamentos.

Cobrança excessiva de metas

Os representantes dos bancários denunciaram a cobrança excessiva de metas por parte de alguns gerentes regionais. Em alguns casos, estas cobranças são diárias e não há tempo sequer para que os bancários desempenhem outras funções além das vendas.

Em resposta, as diretorias afirmaram que orientarão os gerentes regionais para que não haja abusos e que seja respeitada a jornada de trabalho.

Valorização e remuneração

Os diretores do Sindicato cobraram melhores remunerações para os funcionários do Bradesco, tendo em vista que o banco vem perdendo trabalhadores para outras instituições. Os representantes dos bancários citaram que, na regional Minas 1, por exemplo, já houve 11 pedidos de desligamento em 2018. Já na regional Minas 2, foram seis pedidos de demissão.

Em resposta a estes questionamentos, os representantes do Bradesco afirmaram que o banco está mudando e que há preocupação com a perda de funcionários para outras instituições. Como forma de valorização, os representantes do banco lembraram que foi criada a campanha de agentes de contas, que será permanente e garantirá remuneração variável aos funcionários com base na indicação de produtos e serviços do banco.

Os diretores do Sindicato destacaram, porém, que a entidade já se manifestou contra ações promovidas nesta campanha, que levaram trabalhadores a passarem por situações de constrangimento ao circularem pelas ruas usando camisetas que mostravam um casal portando armas.

A pauta específica de reivindicações dos funcionários do Bradesco, que foi entregue ao banco em 11 de junho desse ano, trata da remuneração total dos funcionários em seu item 4.  Confira o texto da minuta na íntegra aqui.

Para Carlos Augusto Vasconcelos (Mosca), que é funcionário do Bradesco e diretor do Sindicato, depois de uma Campanha Nacional vitoriosa que garantiu aumento real e manutenção dos direitos, é importante discutir as questões específicas. “Vamos negociar e cobrar avanços em nossa pauta de reivindicações, exigindo condições dignas de trabalho e valorização dos funcionários do Bradesco. Estamos em um momento difícil e podemos perder importantes conquistas da categoria com um eventual governo que não esteja ao lado dos trabalhadores. Por isso, é fundamental seguir lutando em defesa de nossos direitos”, afirmou.

Já Giovanni Alexandrino, que também é funcionário do banco e diretor do Sindicato, destacou que “estaremos sempre atentos e em luta pelos trabalhadores, que é uma premissa de nosso Sindicato. Deixamos claro nas reuniões que queremos a garantia de emprego e melhores condições de trabalho, com o fim da cobrança excessiva de metas”.

 

Compartilhe: