O plano de Temer de destruir direitos e políticas sociais segue em curso com o apoio de um Congresso Nacional conservador e a serviço dos grandes empresários. Fortalecendo a mobilização para enfrentar estas ameaças, o Sindicato esteve, nesta quarta-feira, 5 de abril, em frente à agência Venda Nova da CAIXA com a “Porta do Inferno” para conscientizar a população sobre a agenda nefasta do governo e convocar todos para a Greve Geral do dia 28 de abril.

Além das reformas da Previdência e trabalhista, da aprovação da terceirização ilimitada e dos cortes em importantes programas sociais, o governo vem adotando uma estratégia de enfraquecimento dos bancos públicos através de planos de demissão voluntária, reestruturações e fechamento de agências.

Na CAIXA, por exemplo, empregadas e empregados já sentem na pele os efeitos desta política de desmonte. O balanço referente a 2016, divulgado na última semana, mostrou um erro grosseiro de projeção que impactou diretamente o valor da PLR recebida pelos trabalhadores. O lucro líquido do banco foi de R$ 4,1 bilhões, ficando muito abaixo da projeção de R$ 6,7 bilhões feita pelo próprio banco ao final do terceiro trimestre do ano passado. Mesmo com esta discrepância, o balanço foi aprovado, por unanimidade, pelo Conselho de Administração da CAIXA.

Além disso, no dia 28 de março, o presidente do banco, Gilberto Occhi, anunciou que pretende fechar de 100 a 120 agências da CAIXA. Ele também informou que existe a intenção de criar empresas para cuidar das áreas de habitação e loterias, assim como estudos de viabilidade para a venda da área de loterias instantâneas, a Lotex, e a oferta inicial de ações da Caixa Seguridade.

Representantes dos empregados já se mobilizam contra as medidas e cobram explicações. Uma reunião entre a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) e a CAIXA será realizada nesta sexta-feira, 7 de abril, em Brasília.

“O momento é de enfrentamento e resistência para defendermos o patrimônio e os direitos do povo brasileiro. Estamos nas ruas para mostrar a todas e todos que os planos de Temer para o Brasil têm o objetivo de favorecer apenas interesses privados, destruindo os bancos públicos, o sistema de seguridade social, a rede de proteção aos trabalhadores e todos os avanços conquistados nos últimos anos. Rumo à Greve Geral do dia 28 de abril!”, afirmou a presidenta do Sindicato, Eliana Brasil.

Compartilhe: