Foi realizada no dia 23 de dezembro, uma reunião entre o Sindicato dos e a direção do Banco Mercantil do Brasil para discutir novas denúncias de assédio moral praticado pela Gerência Executiva de Atendimento e Suporte à Rede.

O Sindicato levou ao conhecimento do banco, os relatos dos funcionários assediados. Socos na mesa, gritaria, palavras depreciativas e de baixo calão, cobrança exacerbadas de metas por telefone e whatsapp, funcionários sendo obrigados a fazer favores pessoais aos superiores, como compras de supermercado e idas a cartórios, ameaças de demissão e comparações entre salários de funcionários, viraram práticas constantes. Os funcionários em home officie ainda são obrigados a tirar foto quando começarem a trabalhar e ao terminaram.

O Sindicato teve acesso a um vídeo, do dia 30 de outubro, em plena pandemia, quando foi realizado um evento na agência Matriz do banco, em comemoração ao cumprimento da meta global, em que os funcionários foram obrigados a se aglomerarem sem máscaras e a gritarem palavras de exaltação, tudo isso acompanhado de bandinha de música e grande estardalhaço. Logo após a realização do evento, os casos de covid aumentaram enormemente entre os funcionários que participaram do evento.

Em relação a isso, os representantes do banco se comprometam a levar as denúncias aos órgãos superiores da empresa, solicitando o prazo de resposta até o dia 20 de janeiro de 2021. O Mercantil também anunciou que irá aderir à cláusula 61, da CCT, com a adoção de mecanismos de prevenção de conflitos no ambiente de trabalho.

Para Marco Aurélio Alves, funcionário do banco e coordenador nacional da COE/BMB, as denúncias são gravíssimas e têm que ser apuradas, mas o anúncio da adesão espontânea do Mercantil à cláusula 61 da CCT, é um grande avanço para a luta dos trabalhadores e do Sindicato. “Antes de mais nada, é um compromisso do banco para que o monitoramento de resultados ocorra com equilíbrio, respeito e de forma positiva para prevenir conflitos nas relações de trabalho. Não admitiremos mais o assédio moral no Mercantil do Brasil. Daí a importância de todos se filiarem para que tenhamos um  Sindicato forte e atuante em defesa dos direitos da categoria.

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

Compartilhe: