Neste momento de pandemia, quando muitos bancários e bancárias estão em home office, no exercício das atividades laborais e preservando sua saúde e de seus familiares, o Banco do Brasil, por meio de algumas regionais, como a REGIONAL RJ/MG – SUPER ESP BH (8803-X), vem exercendo assédio contra funcionários.

A SUPER ESP BH (8803-X) vem utilizando as férias como ferramenta de assédio e ameaça aos colegas que estão em home office e com o VPN ativo.

Mesmo, de forma compulsória, os bancários já tendo registrado as férias de 2020, os gestores ainda forçam para que esses utilizem as de 2021. A mensagem ameaçadora que direcionam aos bancários é de que quem não tirar as férias de 2021 perderá o acesso pelo VPN ao trabalho remoto. E, caso isso aconteça, o bancário acumulará horas negativas no banco de horas, pois sem o VPN não conseguirá trabalhar.

O Sindicato denuncia que as formas de assédio e insensibilidade de alguns gestores, neste momento de pandemia, são inúmeras e covardes. Há gestor que não ofereceu sequer o banco de horas como opção para o funcionário e registrou, no sistema de ponto eletrônico, como “falta não abonada” aqueles dias que antecedem a aquisição das férias.

Segundo Matheus Fraiha, Secretário Geral do Sindicato, “é impressionante a falta de sensibilidade de alguns gestores com os seus colegas. Todas as situações estão sendo tratadas pela Gepes-MG e acompanhadas pelo Sindicato”.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

 

Compartilhe: