O Sindicato e a Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de Minas Gerais (Fetrafi-MG/CUT) entregaram, nesta quinta-feira, 5 de novembro, a minuta de reivindicações dos financiários ao Sincrefi (Sindicato das Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimentos do Estado de Minas Gerais). Desta forma, tem início a Campanha Estadual dos trabalhadores das financeiras com sede no estado: Economisa, Mercantil do Brasil Financeira, Financeira Estrela e Zema Financeira.

Durante a entrega, os financiários foram representados por Ramon Peres, presidente do Sindicato; Magaly Fagundes, presidenta da Fetrafi-MG/CUT; Carolina Gramiscelli (Fetrafi-MG), Marco Aurélio Alves (Seeb BH), Elizete Borela (Seeb Cataguases), Marcelo Neves (Seeb Divinópolis), Selim Oliveira (Seeb Ipatinga) e Watoira Antônio (Seeb Juiz de Fora). Já as financeiras foram representadas por Edmar Campos, do Sincrefi.

Financiárias e financiários de Minas Gerais reivindicam a manutenção, por dois anos, de todas as conquistas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), aumento real nos salários e verbas, assim como o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) em 2020 e 2021. Na pauta, estão também a garantia do emprego, vacinação contra a gripe (H1N1) para os trabalhadores, criação de um protocolo de apoio às mulheres vítimas de violência doméstica e um aditivo específico sobre a proteção aos financiários durante a pandemia.

Para o presidente do Sindicato, Ramon Peres, a proteção aos trabalhadores no atual cenário é uma prioridade. “Queremos a manutenção de todos os direitos já conquistados e melhores salários, mas também a garantia do emprego e da saúde de financiárias e financiários, especialmente neste período de crise sanitária”, destaca.

Os trabalhadores reivindicam, ainda, a mudança da data-base, de 1º de novembro para 1° de junho, permitindo a unificação da campanha nacionalmente. “É muito importante a mudança da data-base para garantir os direitos das financiárias e dos financiários em âmbito nacional, como ocorre com a categoria bancária”, afirma Carolina Gramiscelli, que participa das negociações pela Fetrafi-MG/CUT.

Marco Aurélio Alves, diretor do Sindicato e membro da comissão de negociação dos financiários em MG, ressalta que a entrega da minuta é o primeiro passo para a mobilização e a realização da campanha salarial. “Queremos a manutenção e a ampliação dos direitos dos financiários mineiros e garantias para a minimização dos riscos decorrentes da pandemia de Covid-19”, explica.

Segundo a presidenta da Fetrafi-MG/CUT, Magaly Fagundes, as negociações já devem começar na próxima semana. “Nossa expectativa é construir um calendário para que, antes de dezembro, tenhamos um acordo assinado e possamos dar início às assembleias com os financiários”, afirmou.

 

Compartilhe: